CHEGA DE TORTURA, ASSASSINATOS E DESAPARECIMENTOS!

Aos meus camaradas do PC do B, aos amigos do PT, e a Esquerda, que pegou em armas contra a ditadura militar.

Esse é o meu desabafo, como ser humano de etnia negra, que deu e continua a dará vida por um Brasil socialista. Na ditadura militar, os inimigos éramos nós, os comunistas, e todos os que ousaram a dizer não ao regime militar fascista.

Hoje, quando levantamos a voz e damos o grito de ditadura nunca mais 1964, nos deparamos na mesma situação, em que o povo pobre, negro das favelas, é caçado pela tropa Militar Federal, na condição de inimigo numero um do Estado brasileiro.

Nós perguntamos: estamos vivendo a militarização na "democracia", as favelas, os morros, os guetos, quem residem são os inimigos da Nação?

Na ditadura os inimigos, nós os comunistas, hoje na “Democracia”, os inimigos são os pobres, os pretos, as putas. Para esse inimigos, a tortura, a porrada, os assassinatos, e os desaparecimentos.

Estado burguês brasileiro, governado pelos que no regime da ditadura Militar, foram perseguidos, nós negros somos os invisíveis nessa "democracia".

Atenção! Torturados de ontem, não nos torturem hoje. Queremos a paz e a inclusão social. Somos nós que construímos essa nação, não usem do aparelho do Estado, o DOPS, o DOI-CODI, e as cadeias para nos exterminar!

Presidenta Dilma! Votei e fiz campanha como comunista para eleger o Lula e a senhora. O Meu povo negro e pobre já não mais suporta ser massacrado desde que aqui chegamos na condição de mão de obra escarava, e hoje o exército de reserva do capital, mendigando trabalho.

Assim, amigos, do PT, que o julgamento STF do mensalão mineiro do PSDB/Tucanos, sirva como balizamento para aqueles que não querem enxergar que o Direito tem classe, e no Estado brasileiro, a Justiça e o Direito é da classe burguesa.

Portanto, vivemos em uma sociedade dividida em classes sociais. Ou o Governo do PT avança para a esquerda, e governa com o povo organizado e para o povo, ou a direita toma pé, das esferas do poder e manda nas regras do jogo.

Nesse sentido conclamamos desocupem as favelas e os morros! Os inimigos usam terno e gravata, andam de jatinho e no asfalto. Não somos nós os inimigos. Queremos a Copa! Não queremos ser bicho de caça! Os inimigos vivem de terno e gravata na máquina do Estado, corrompendo a máquina estatal.

Assim, companheiros (as), o que precisamos é ir às bases e organizar a massa trabalhadora e o proletariado. A porrada é nos inimigos de classe. Vamos organizar o povo. O nosso povo organizado dará sustentação política para as mudanças e reformas a esquerda, e será capaz de tomar para si a racionalidade política de reinvenção do Estado e do Direito. Ou seja, fazer as transformações a esse Direito brasileiro, que se presta à dominação, à opressão, à mera coerção, para não mais se relevar essa condição de injustiça e pobreza jurídica.

Para que o Direito não sirva só aos ricos, é preciso fortificar o socialismo jurídico presente no Princípio da Justiça Social e que forma o eixo central do Estado Democrático de Direito Social no Brasil.

Finalizo, com esse meu poema:

Negros Exilados, na ditadura/exterminados na democracia do Estado opressor! Exilado em meu país/Exilado sem um teto/ Exilado na ditadura/Exterminado na democracia/Exilado sem manifesto/ Exterminado na violência/Exilado na tortura/Exterminado na ROTA 66/No pau de arara/Na porrada/Extermínio no dia a dia.

Exilado negro sempre pela vida lutou/Exilado sem ser comunista/Exterminado no morro/no asfalto e na pista/Cadê Amarildo?/Exilado é um grande artista/Exilado hoje é doutor/Que sobrevive/A história de um dia Derrubar a ditadura/Exterminado o exilado não se matou/Claudia a PM a trucidou/Que no Brasil a violentou/Exilado Livre! Dejetos bandidos.

O sonho não perdeu/Nem o grito do socialismo/Para todo povo negro/Esse sorriso bonito/A esperança não foi o suicídio/A democracia para o negro não vingou/Exterminado, exilado, exterminado…no barraco/Exilado no barraco desempregado, esse Brasil tem cor!/Presos políticos sem partido na democracia do Estado Opressor! 

Nota da Redação

Roque Tarugo é negro, poeta, espirita e comunista. Bacharel em Direito, Filosofia, Teologia, Especialização em Economia do Trabalho, e Ciências Políticas, Advogado, Doutor em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Del Museo Social Argentino.

Roque Assunção da Cruz (Roque Tarugo)