Praga (República Tcheca) – O jogador brasileiro Adauto Evandro da Silva, 25 anos, formado nas categorias de base do Santo André, no ABC paulista, e campeão brasileiro em 2.001 pelo Atlético Paranaense, renovou por mais um ano o contrato com o Governo da República Tcheca para ser a estrela da campanha de combate ao racismo nos estádios e se tornará, a partir deste mês, o primeiro atleta brasileiro a ter a imagem estampada em um selo da campanha a ser emitido pelos correios tchecos.
A campanha, que tem como lema “Racismo: todos somos vítimas” , também terá a participação das maiores personalidades do país (a ex-Thecoslováquia) como alguns ex-presidentes, artistas e desportistas consagrados. Adauto é o único estrangeiro.
“Recebi o telefonema do diretor de marketing da Federação Tcheca, Daniel Macho, me convidando para prosseguir com eles na campanha. Ele disse que a minha imagem havia sido muito importante na luta pela conscientização dos tchecos sobre o racismo”, contou a Afropress.
O atleta se tornou o jogador mais importante do principal time theco – o Slavia Praga – não apenas pelos dribles desconcertantes e pelos gols marcados nas duas temporadas. Ele passou a responder com gols às agressões racistas de torcedores dos times adversários. Num clássico local, o juiz chegou a paralisar a partida diante do fato de torcedores imitarem ruídos de macacos.
Segundo o assessor de comunicação do jogador, Fábio Giannelli, a idéia de Adauto é trazer a campanha para oBrasil. “Estou em contato com o marqueteiro responsável pela campanha e já planejamos trazê-la para o Brasil. Estou para receber a carta de representação do Governo Tcheco e irei a Brasília. Adauto é um exemplo para o Brasil”, afirmou.
Antes de ter o passe negociado com o futebol europeu, Adauto começou a se destacar nas categorias de base do Santo André, no ABC. Menino pobre, criado na favela da Cata Preta, uma das mais pobres da região, ele conta ter passado necessidades no início da carreira.

Da Redacao