Porto Alegre – O Carrefour depositou na tarde desta quarta-feira (28/04) R$ 1,1 milhão para Milena Freitas (foto), viúva do soldador Beto Freitas, espancado até a morte na véspera do Dia Nacional da Consciência Negra, por seguranças do hipermercado numa loja da Zona Norte de Porto Alegre. O depósito foi feito sem ter sido fechado acordo entre as partes em  uma conta para consignação extrajudicial. Os outros R$ 100 mil foram transferidos diretamente para a conta de Milena para ela usar em gastos mais urgentes.

O depósito faz parte da tentativa da rede francesa de evitar que ganhe corpo a campanha desencadeada pelos advogados da viúva – Carlos Barata e Hamilton Ribeiro – que estão denunciando à mídia nacional e internacional, o que chamam de indignidade da rede francesa ao pretender pagar de indenização à viúva, o mesmo valor desembolsado para as entidades protetoras de animais, em novembro de 2.018, pela morte da cadela Manchinha, numa loja da Avenida dos Autonomistas em Osasco S. Paulo.

Nesta quinta-feira (29/05), os dois advogados farão uma segunda rodada de conversas pela Afropress com correspondentes nos Estados Unidos – entre os quais Edson Cadette e Brian Mier – para denunciar ao mundo a postura da empresa.

Barata e Ribeiro ainda não se manifestaram sobre a iniciativa da empresa, que depois de romper a negociação que estava ocorrendo, resolveu fazer o depósito à revelia de qualquer entendimento. Eles tem dito que a indenização pela vida de um homem não pode ser comparado nem equiparado ao que foi pago pela morte de uma cadela.