Acordo terça-feira (19/06) de manhã e pego para ler o Jornal Taz, um dos melhores da Alemanha.
Leio que o grupo Afroreggae de Vigário Geral, vai se apresentar à noite em Hannover, a uma hora e meia de “trem bala” aqui de Hamburgo. Junto meus trocados, máquina de filmar, carteira de jornalista, e me desbanco prá lá no final da tarde a tempo de lá chegar e ser carinhosamente recebido pelo Anderson Sá e a turma toda que tinha acabado de ensaiar e descansava para o show que começaria em uma hora.
Valeu a pena o esforço de reportagem.
Foi o show mais bonito e mais profissional que eu já vi, realizado por brasileiros aqui na Europa nos últimos 15 anos.
O público, com uma renda per capita equivalente a pelos menos a metade da renda gerada por todas as favelas dos Rio, mexia-se nas cadeiras extasiado, concentrado, lendo tudo que aparecia em alemão no letreiro fluorescente e tradutor encima do palco.
O público fez uma viagem cibernética nos bailes Funks do Rio de janeiro. Sentiu a chuva e os tênis molhados e a ceroulas suadas.
Emocionou-se com a ponto 50 cultural que sem parar, metralhou 80 minutos os corações e mentes de todos os presentes.
O Teatro “Schaupielhaus” de Hannover é um luxo só, daqueles que madames cariocas só vão de estola. Nesta noite divina o teatro se transformou, com os Caboclos de John Lennon e Cartola presentes.
O Cheiro das Rosas de Vigário Geral impregnou a casa superlotada. Não dava prá ver se a água que transpirava dos corpos presentes era só do calor humano que emanava do palco ou se eram choros de alegria e reflexão.
Todos se levantaram quando a garotada da cidade que havia feito um workshop com a turma do Afroreggae, subiu no palco acompanhada de tocadores de tarol da polícia local.
Afroreggae, a garotada de Hannover e os tocadores de tarol da policia de Niedersachsen bateram forte. Ritmados, surpreenderam pelo pouco tempo que tiveram para aprender o ritmo de Vigário Geral.
Com a câmera na mão tive um delírio. Vi os milhões de conterrâneos meus, trocando as p50 por baquetas. Vi o Rio de Janeiro fazendo jus a imagem de esperança e alegria que essas garotas e garotos do Afroreggae de Vigário Geral mostraram aqui na Alemanha.
Tive um delírio, onde este som que saiu de Vigário Geral, passou por New Orleans, e subúrbios de Londres e desembocou nesta noite mágica de Hannover, pegue de volta uma corrente transatlântica cheia de calor humano para afagar os corações temerosos de meus cariocas queridos.
E por que a sopa do Zarur?
Emocionado. Saí do show para a estação de trem e me esqueci que Hannover, talvez por todo mundo ter carro, não tem trem depois das 10 da noite.
Fui dormir na “Missão da Estação de Trem”, uma liga de caridade, que tem uns bancos prá sem-tetos e turistas perdidos dormirem e ainda recebe-se uma sopa. Esta missão caridosa também atende jornalistas, como eu, que entram no delírio de verem um Brasil ritmado e profissional, como todo o mundo, no sentido literal da palavra mundo, passa a acreditar e delirar, depois de assistirem ao show destas Rosas de Vigário Geral que venceram o medo.
axé Afroreggae!
Veja o vídeo do Show do Afroreggae em Hannover produzido pelo jornalista Marcos Romão

http://www.youtube.com/watch?v=7R7lIYKgZao#GU5U2spHI_4

Marcos Romão