Porto Alegre/RS – Os amantes da cultura afro-brasileira ganham um presente especial nesta quarta-feira (15/04): o Grupo de Trabalho Angola Janga lançará o quarto marco – Painel Afrobrasileiro – do catálogo do Museu de Percurso do Negro. O evento será realizado, às 18h30, nas Salas Multiuso, no Santander Cultural, Rua Sete de Setembro, 1028, Centro, Porto Alegre. A entrada é franca.

A obra inaugurada no dia 20 de novembro, do artista plástico Pelópidas Thebano, encontra-se localizada no Largo Glênio Peres. Este acervo integra um conjunto de obras de arte erguidas no Centro Histórico da capital gaúcha, com o intuito de resgatar a memória da comunidade afro-brasileira, assim como dar visibilidade a espaços considerados negros na Capital.

Novo conceito

O Museu de Percurso do Negro tem como base o novo conceito de museologia: museus a céu aberto, que marcam pontos fundantes da Cidade, através de esculturas e painéis, espaços negros ou onde os negros passavam. De acordo com a organização desta iniciativa, o seu desenvolvimento foi concebido de forma colaborativa: uma construção coletiva da comunidade negra local, onde sua falta de representatividade no patrimônio cultural remetia à invisibilidade social deste segmento populacional.

Outro aspecto importante deste trabalho são os cursos de formação de jovens monitores. Paralelamente à construção das obras de arte pública, a equipe do museu fez duas edições, a primeira na Escola de Saúde Pública em 2009 e a segunda no Quilombo do Areal em 2014.

Para o artista plástico Vinícius Vieira, “estas obras, a partir da data que foram inauguradas, passaram a sintetizar parte da memória e da história dessa comunidade no Rio Grande do Sul”. E, segundo Ivan Braz, um dos coordenadores do Grupo Angola Janga, esta proposta é uma conquista da materialização de pontos negros vivenciados agora, por todos.

O Painel Afrobrasileiro é o quarto marco do Museu de Percursos: o Tambor encontra-se na Praça Brigadeiro Sampaio; a Pegada da Alfândega está localizada na Praça da Alfândega; e o Bará do Mercado, no Mercado Público. É importante frisar que todas estas obras integram o cenário de artes de Porto Alegre.

De acordo com Braz, o projeto foi selecionado no edital da Funarte – Fundação Nacional de Artes, do Ministério da Cultura e da Seppir – Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, conta com o apoio de Prefeitura Municipal de Porto Alegre e do Santander Cultural.

Mais informações sobre os painéis do Museu de Percurso do Negro em Porto Alegre no http://museudepercursodonegroemportoalegre.blogspot.com.br/

Foto: Painel Afrobrasileiro no Largo Glênio Lopes. Concepção de Pelópidas Thebano. Execução de Vinícius Vieira. Técnica: Mosaico Cerâmico.

 

Sandra Martins, é jornalista da Cojira/RJ e colaboradora da Afropress