Fortaleza – Na contra-mão da maioria da população brasileira que é favorável às cotas, o Conselho Universitário da Universidade Federal do Ceará rejeitou, na tarde desta quarta-feira, a proposta de reserva de vagas para negros, indígenas e portadores de necessidades especiais, oriundos da escola pública. Apenas 4 dos 22 conselheiros votaram a favor da inclusão da medida no próximo vestibular.
Na mais recente pesquisa Datafolha, 65% da população brasileira se manifestou favorável às cotas e ao Estatuto da Igualdade Racial.
Os membros do Conselho Universitário, com a decisão, ignoraram o fato de 42% da população do Ceará ser formada por pretos e pardos, de acordo com o último censo do IBGE. Para Henrique Cunha Jr., professor titular da Universidade, os conselheiros reconhecem a existência de injustiça social, mas alegam problemas de ordem financeira e de informação para se colocarem contra a medida.

Da Redacao