Fortaleza – Entidades do Movimento Negro e organizações anti-racistas cearenses promovem neste sábado, 02/09, a partir das 10h, ato em frente ao Supermercado Extra, do bairro Montese, para protestar contra o crime de racismo praticado por funcionários contra o pedagogo Paulo Roberto de Souza e Silva.
O caso ocorreu no dia 04 de agosto, quando Silva fazia compras e, na hora de pagar, o comprovante da autorização da compra apresentou dígitos diferentes do seu cartão de crédito.
Sem ter nenhuma chance de explicações, a direção do Extra chamou a Polícia e Silva e sua companheira foram detidos por estelionato. Submetidos à violência chegaram a ser levados à Delegacia, onde ficou provado que nada deviam.
No último dia 18 de agosto, diante da repercussão do caso nos jornais locais, o professor foi chamado pela direção do Extra para falar do assunto. Advogados que o acompanharam propuseram um acordo nas seguintes condições: indenização em valor a ser definido; uma campanha de combate ao racismo patrocinada pelo Extra; e uma carta de retratação pública.
A direção do Supermercado então resolveu encaminhar o caso para a direção central em S. Paulo, que ainda não deu qualquer resposta.
O ato deste sábado é convocado por várias enttidades entre as quais o Centro Acadêmico de Pedagogia/UFC; Cáritas Brasileira Regional Ceará; Casa Brasil; Central dos Movimentos Populares; Central Única das Favelas; Centro de Direitos Humanos e Cidadania; Elo Feminista; Esplar; Fórum Cearense de Mulheres; Fórum de Defesa da Zona Costeira; Grupo Afro Berê; Instituto de Pesquisa de Afrodescendência; Instituto do Movimento Operário/Uece; Instituto Negra do Ceará; Janus – Instituto de Consciência Global e Ecologia Social; Marcha Mundial de Mulheres; Movimento de Mulheres Negras; Movimento dos Trabalhadores Sem Teto; Movimento Negro Unificado; Tempo Livre; Unegro; Universidade Estadual do Ceará/Labvida.

Da Redacao