Não foi uma simples formatura, a festa de colação de grau dos 126 alunos da primeira turma do Curso de Administração da Universidade da Cidadania Zumbi dos Palmares, a única no Brasil e nas América Latina com 87% de alunos negros. Foi um mega show, com direito a exibição de passistas, apresentação de cantores como Martinho da Vila, que começou às 20h, no Ginásio do Ibirapuera e só foi terminar à 1h30 da madrugada desta sexta-feira, reunindo numa espécie de celebração ecumênica o prefeito Gilberto Kassab, o governador José Serra e o Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, escolhido patrono da turma.
Além deles, o governador de Roraima, Anchieta Jr., e mais dois ex-governadores, Geraldo Alckmin, de São Paulo, e Benedita da Silva, do Rio, ambos escolhidos para paraninfos e o ex-presidente da República José Sarney, seis ministros de Estado, incluindo o da Educação, Fernando Haddad e o ministro chefe da Seppir, deputado Edson Santos. A festa teve como apresentadores a atriz Isabel Filardis e o cantor Simoninha, filho de Wilson Simonal. Na abertura, o ator Milton Gonçalves, da Globo, leu um texto e acabou, em tom épico, conclamando a platéia a gritar: “livres, livres, livres!”.
Ao encerrar por volta da 1h30 da madrugada desta sexta-feira (14/03), depois de esperar cinco horas, Lula brincou que nem nos tempos de oposição esperara tanto para falar em um ato, e acrescentou. “Quando mostram o negro na televisão é sendo preso, espero que a imprensa reproduza o que se vê hoje aqui”,
Antes, no estilo “gente que faz”, leu relato descrevendo a trajetória de duas alunas negras – Elaine Duarte Damião de Moura e Andressa Amaral Santos – e da luta de suas famílias para concluir o curso.
Lula emocionou a platéia formada por pais, familiares e amigos dos formandos, quando contou a história das duas famílias e o esforço que fizeram para que ambas continuassem o curso. “Elaine, agente come sopa de pedra, mas você vai prá faculdade”, contou Lula reproduzindo as palavras dos pais de Elaine dona Marilene e o vigia desempregado, Valdemar.
Com Andressa as dificuldades não foram menores. “Você vai continuar, Andressa. Agente passa fome, mas o dinheiro da condução e da mensalidade, ninguém mexe”, relatou contando o diálogo mantido pelos pais – o funileiro Nelson e a faxineira Solange, moradores da favela do Jaguaré – com a estudante.
Final feliz
Como numa história com final feliz, Lula relatou que hoje, além de formadas, Andressa e Elaine, são, respectivamente, funcionárias dos Bancos Itaú e Bradesco. O presidente fechou o script reproduzindo o depoimento de ambas. “Eu sabia que era negra, mas não sabia o signfiicado de ser negro. O orgulho de ser negra eu conquistei na faculdade”, diz Elaine. “Eu nunca aceitei ser chamada de moreninha no trabalho. Moreninha, não. Sou negra e com muito orgulho”, diz Andressa, no relato.
Pouco antes, ao falar, o governador José Serra fizera homenagem a três formandas funcionárias do Estado, uma das quais, trabalha no próprio Palácio do Governo, o que fez com que Lula avisasse. “Agora, se prepare governador Serra porque elas ,com a faculdade, vão querer aumento”.
Lula falou desses exemplos para concluir exaltando o papel da família. “Vocês estão dando uma lição de vida. Não vale a pena desistir nunca. Se desistir valesse a pena eu não teria chegado à Presidência da República”, afirmou, lembrando o fato de ter disputado três vezes à Presidência.
A Universidade da Cidadania Zumbi dos Palmares, que tem campus na Barra Funda, é uma iniciativa da ONG Afobras, e se mantém por meio de parcerias, em especial, com o mega-empresário da Educação, João Carlos Di Gênio, dono da Universidade Paulista (Unip) e com o apoio de instituições financeiras como os Bancos Bradesco e Real.
Com trânsito nos governos municipal, estadual e federal, o reitor José Vicente, um ex-delegado da Polícia Civil de São Paulo, construiu a imagem de um empreendedor negro que realiza. No final da formatura, seu discurso foi de agradecimentos aos políticos presentes – todos homenageados com comendas e troféus Zumbi – e aos empresários parceiros. “Muito obrigado a todos vocês”, disse, para acrescentar em seguida: “Valeu, Zumbi!”.
Mega show
A formatura com tantas autoridades e a estrutura de um mega show com duração de cinco horas, acabou cansando até mesmo quem estava na platéia, pelo volume de homenagens, e provocando curto circuito no cerimonial. O ministro Carlos Ayres Brito, do Supremo Tribunal Federal (STF), que estava na primeira fileira de convidados, não foi nem chamado para a mesa nem citado e foi embora. Também os senadores Cristovam Buarque e Eduardo Suplicy, respectivamente do PT/SP e PDT-DF, também não tiveram seus nomes citados e saíram no meio da cerimônia.
O presidente da Fundação Palmares, Zulu Araújo, que estava representando o ministro Gilberto Gil, do mesmo modo não foi citado e saiu por volta da meia noite. Sentados na mesma fileira com o presidente da Palmares, cartunista Maurício Pestana, o empresário Michel Haradom, da Fersol, Mário Nelson Carvalho, diretor das Relações Institucionais da Associação Nacional de Empresários e empreendedores Afro-Brasileiros (Anceabra) o advogdo Humberto Adami e a atriz Maria Ceiça.
O ministro Edson Santos e a ex-governadora Benedita da Silva, atual Secretária de Direitos Humanos do Rio, foram os únicos que lembraram a dívida social do Brasil com a população negra. “Hoje, 120 anos depois, essa dívida ainda não foi resgatada, e é fundamental que se diga que para o resgate dessa dívida, é necessária a intervenção do Estado brasileiro, produzindo políticas públicas”, afirmou Santos.
Na USP sem negros
O ministro da Educação, Fernando Haddad, lembrou em seu discurso que não teve oportunidades de conviver com negros em nenhum dos dois cursos superiores que concluiu na USP. “Privilegiados não são os negros desta turma, e sim os brancos que tiveram a chance que a minha geração não teve: de estudar com negros”, afirmou.
Além dos shows de Martinho da Vila, Sandra Sargentelli foi uma das atrações apresentando passistas negros. Também foram entregues comendas e troféus de reconhecimento pelos aos componentes da mesa e homenageados pela diretoria da Sociedade Brasileira de Heráldica e Humanística, integrada, entre outros, pelo apresentador Gilberto Barros, da TV Bandeirantes, e pelo ministro da Previdência Social, Luiz Marinho.
A Presidente da Comissão de Formatura, Sônia Maria da Silva, foi uma das homenageadas e recebeu placa do Conselho Regional de Administração, por ter sido escolhida a melhor aluna do Curso.
Veja o dsicurso do Lula na formatura::

http://www.estadao.com.br/interatividade/Multimidia/ShowVideos.action?

Lula e o reitor José Vicente entregam diploma a formandos – Reportagem: Dojival Vieira – Foto: Caio Guatelli/Folha Imagem