Salvador/BA – O jornalista Márcio Alexandre, coordenador Geral do Coletivo de Entidades Negras (CEN), divulgou Nota em que afirma que “hoje o Brasil acordou mais triste com o passamento do Senador da República, jornalista, ator, diretor, artista plástico, pensador e, antes de tudo e mais importante, o mais ilustre negro contemporâneo, Abdias do Nascimento”.
“Para nós, do Coletivo de Entidades Negras (CEN), com a morte de Abdias não perde o Movimento Negro, ao nos deixar para agora brilhar na constelação dos grandes heróis da história deste país, quem perde é o Brasil ao deixar de ter a fina percepção da realidade que Abdias do Nascimento sempre nos trouxe”, afirma Alexandre.
Veja, na íntegra, a Nota divulgada pelo Coletivo de Entidades Negras (CEN).
Hoje o Brasil acordou mais triste com o passamento do Senador da República, jornalista, ator, diretor, artista plástico, pensador e, antes de tudo e mais importante, o mais ilustre negro contemporâneo, Abdias do Nascimento.
Para nós, do COLETIVO DE ENTIDADES NEGRAS (CEN), com a morte de Abdias não perde o Movimento Negro, ao nos deixar para agora brilhar na constelação dos grandes heróis da história deste país, quem perde é o Brasil ao deixar de ter a fina percepção da realidade que Abdias do Nascimento sempre nos trouxe.
Maior entre os maiores, Abdias sempre foi terno, sem deixar de ser incisivo; foi cortante como o aço, mesmo quando trazia aos palcos a sensibilidade artística; fundamentalmente indignado, Abdias nunca se calou diante da real e visível realidade da população negra brasileira.
Adjetivos não faltam para descrever Abdias do Nascimento, mas ficamos felizes hoje em perceber que “grande” foi o mais frequente. Sem dúvida, acreditamos que este grande brasileiro, grande homem, grande senador, grande negro, nos deixa belíssimas lições de como fazer militância sem se resignar e sem se tornar rancoroso.
Nós, do COLETIVO DE ENTIDADES NEGRAS (CEN), acreditamos que antes de chorar o passamento de Abdias, devemos agradecer aos nossos Orixás a oportunidade que nos foi dada de termos sido seus contemporâneos e hoje, neste momento, temos certeza que Oyá o afaga em seus braços e seu vento suave, mas firme o carrega célere para o Orun, onde a partir de agora Abdias se soma àqueles e aquelas que transcenderam as fronteiras e deixaram de ser apenas cidadãos de um país, para se tornarem defensores de todos os oprimidos do planeta e, com certeza, entre todos eles, Abdias ocupará lugar de destaque.
COORDENAÇÃO NACIONAL DO COLETIVO DE ENTIDADES NEGRAS (CEN)

Da Redacao