S. Paulo – O Instituto Sindical Interamericano pela Igualdade Racial (Inspir), que reúne todas as Centrais Sindicais, vai participar do Movimento Brasil Afirmativo, que defende ações afirmativas, dentre as quais cotas, aprovação do Estatuto da Igualdade Racial e do PL 73/99, projetos em tramitação no Congresso.
A CUT – Central Única dos Trabalhadores – também decidiu se engajar na coleta de assinaturas e iniciará mobilização no dia 11 de setembro, com a instalação de uma barraca acompanhada de um carro de som, das 10h às 16h, na Praça Ramos, centro de S. Paulo.
As decisões foram anunciadas pela dirigente Neide Fonseca, presidente do Inspir, em reunião com o Editor de Afropress, Dojival Vieira, na manhã de ontem, sexta-feira (25/08). O jornalista e mais João Bosco Coelho e Antonio Jacinto fazem parte do Movimento Brasil Afirmativo, lançado há cerca de um mês em S. Paulo, que além do abaixo-assinado está propondo a realização da Parada Negra, em 20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra.
Neide transmitiu decisão da Comissão Nacional contra a Discriminação Racial da Central, coordenada por Maria Isabel da Silva, tomada em reunião conjunta com o Inspir, de orientar todas as estaduais da CUT para que promovam a mesma atividade, além de solicitar as Confederações que coloquem o abaixo-assinado na rede pedindo para os sindicatos colherem assinaturas.
Ela disse que também será discutida com os sindicatos a idéia de colocar na porta das fábricas uma pessoa com uma barraquinha para colher assinaturas.
Também participaram da reunião no Inspir os dirigentes sindicais Roque Assunção da Cruz, Secretário de Políticas Sociais da CUT e Confederação Nacional dos Metalúrgicos e dirigente nacional da Unegro, Levi da Hora, diretor do Sindicato dos Eletricitários de S. Paulo, Maria Aparecida Pinto e João Affonso de Oliveira (Lacerda), diretor do Sindicato Nacional dos Aposentados, Nadir Souza, da CGT, e Márcia Conceição, do Sindicato das Costureiras.
Roque propôs que a coleta de assinaturas se estenda por todo o país e prometeu encaminhar a discussão na Unegro. Ele propôs também que se realizem Paradas no dia 20 em todas as cidades brasileiras. A idéia do Movimento Brasil Afirmativo é recolher milhares de assinaturas até o dia 20 e depois tirar uma Comissão para entregar o Abaixo Assinado, em audiência com os presidentes da Câmara e do Senado e com o Presidente da República.
Na reunião, além do compromisso dos representantes das centrais de levar a proposta para deliberação formal das direções, também ficou decidido acrescentar abaixo das folhas de assinaturas os apoios: Inspir, CGT, Força Sindical, Afubesp, Sindicato dos Bancários de S. Paulo e Região, além das entidades que já haviam assumido o Movimento como o Centro Acadêmico Zumbi dos Palmares e a OnG ABC sem Racismo.
O Movimento Brasil Afirmativo pretende ser o mais amplo possível reunindo em torno das bandeiras das Ações Afirmativas – dentre as quais cotas – todo o arco de forças, independente de partidos, governos ou posições ideológicas e aberto a toda a sociedade.

Da Redacao