Os dados aparecem no Estudo da Fundação Seade que acaba de ser divulgado por ocasião do mês da Consciência Negra, tendo como base a PNAD – Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio de 2.005. De acordo com o mesmo Estudo São Paulo, com uma população preta e parda de 12,5 milhões de pessoas (31%), é o Estado com maior população negra do país e das Américas.
A população brasileira é estimada pela PNAD em 184,4 milhões de habitantes – dos quais 91 milhões era composta por pessoas que se declararam de cor/raça parda ou preta, aproximando-se da população branca, estimada em 92 milhões. O Brasil é o segundo país em população negra no mundo, ficando atrás apenas da Nigéria.
Dos pretos e pardos, que correspondem a praticamente metade da população do país – 35,8 milhões residem na Região Nordeste e 32 milhões, no Sudeste.
O Estudo, que trabalha com números do Censo 2000 do IBGE, informa que há mais homens negros do que mulheres dessa raça/cor no Estado de S. Paulo: para cada 100 homens existem 96 mulheres. No caso dos brancos, a proporção é inversa, para cada 100 homens existem oito mulheres a mais.
O Estudo também mostra que a população negra é mais jovem do que a branca: 58% tem menos de 30 anos contra 53,2% dos brancos. A partir dos 40 anos, a proporção de brancos supera a dos negros, e no grupo de idosos (com mais de 60 anos) a proporção de pessoas de raça/cor branca alcança 10%, em comparação com os 6% de negros.