Recife/PE – Terminou em derrota a tentativa da ex-ministra da SEPPIR, Matilde Ribeiro (foto), de voltar a ocupar espaços importantes na máquina partidária do Partido dos Trabalhadores (PT). Ela teve apenas 50 – cerca de 20% – dos 250 votos na disputa para a Secretaria Nacional de Combate ao Racismo, no Encontro deste fim de semana (26 e 27/05), no Hotel Jangadeiro, na Praia de Boa Viagem, em Recife.
Com 64% dos votos, Cida Abreu, a atual Secretária, continuará à frente da Secretaria por mais quatro anos. Os demais candidatos – Ivonei Pires, da Corrente Democracia Socialista, da Bahia, e José de Oliveira, de Pernambuco – tiveram 34 e 04 votos – respectivamente 16,% e 1,6% dos votos.
Correntes
O Encontro da Secretaria de Combate ao Racismo do PT contou com a participação de 340 participantes – 250 delegados de 23 Estados e mais o Distrito Federal – e outros cerca de 90 convidados.
A maior parte dos votos de Cida Abreu foram de Pernambuco, que se tornou o Estado com maior número de delegados, após a Executiva nacional anular o Encontro de S. Paulo, após identificar irregularidades na organização.
Embora tanto Abreu quanto Matilde façam parte da Corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), o chamado campo majoritário do PT, a ex-ministra não teve o apoio dos cardeais do Partido que fecharam com a atual Secretária.
Sem apoio da cúpula
Matilde já entrou na disputa – a primeira, desde que deixou a Esplanada, acusada de gastos excessivos com o cartão corporativo – em situação desfavorável, porque a anulação do Encontro dos petistas de S. Paulo reduziu – e muito – suas chances. Estima-se que, dos 42 votos a que S. Paulo teria direito, 40 eram da ex-ministra.
As chances de vitória se tornaram ainda mais reduzidas porque os 64% obtidos pela vencedora, eliminaram a possibilidade de um segundo turno.
Afropress antecipou, em matéria postada na sexta-feira, dia em que os delegados começaram a chegar a Recife, que a ex-ministra tinha apenas 50 votos garantidos, ou 80, numa avaliação mais otimista.
Métodos
Flávio Jorge, dirigente da Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN) e uma das principais lideranças ligadas a ex-ministra preferiu não comparecer e mandou carta condenando os métodos utilizados na organização do Encontro.
A permanência de Cida Abreu no cargo, segundo apoiadores de Matilde, se tornou possível, porque lideranças nacionais do Partido e membros da Executiva nacional, como Paulo Frateschi e João Vaccari, assumiram apoio ostensivo à sua candidatura.
A derrota da ex-ministra da SEPPIR significa um duro golpe numa das mais importantes lideranças femininas do movimento negro brasileiro, a primeira ministra da SEPPIR, responsável pela estruturação da própria Secretaria vinculada à Presidência da República e pelas primeiras ações e políticas públicas de igualdade racial no âmbito do Governo Federal.
Ela chegou a ser aconselhada por apoiadores a desistir da disputa para evitar o desgaste de uma derrota anunciada, que reduziria o seu tamanho político, porém, resolveu ir até o fim.

Da Redacao