Várzea Grande/MT – Depois de agredir, na última quinta-feira (12/07), um garoto de 13 anos, com xingamentos de “preto, safado, vagabundo”, o comerciante João Cabral de Melo, de 75 anos, foi parar onde devia: atrás das grades, preso em flagrante por racismo, com base no artigo 140 do Código Penal. O fato ocorreu no centro de Várzea Grande e está registrado no 4º Batalhão da PM.
O menino jogava bola com um colega no pátio da república pertencente ao comerciante, onde a mãe, uma empregada doméstica, mora de aluguel. Assim que a mãe chegou do trabalho, encontrou o garoto chorando num canto do quarto.
Revoltada, ligou para o 4º Batalhão e todos foram levados para a Delegacia do Complexo do Parque do Lago. O delegado plantonista Luiz Fernando da Costa encontrou indícios de que houve um crime de racismo e o comerciante foi autuado. “A mãe do menino estava revoltada porque chegou do trabalho e encontrou o filho chorando muito”, explicou.
Segundo a mãe do adolescente, cujo nome não foi divulgado pela Polícia, a prisão do comerciante é um ato de justiça. Ela contou que, ao chamar a polícia, não acreditava que o comerciante pudesse ser preso. “Nesse país nada acontece. Mas do jeito que encontrei meu filho, o estado de desespero em que estava me causou revolta e por isso chamei a Polícia”, explicou.
Segundo ela, o filho está traumatizado porque todas as vezes que jogava bola o comerciante o xingava e o garoto não entendia o porquê dessa perseguição. “Trabalho o dia todo para sustentar meu filho. Ele é um adolescente como outro qualquer na idade dele. Por isso, ficou traumatizado com os xingamentos”, completou. O agressor deverá ficar recolhido a uma unidade prisional da Grande Cuiabá, até ser liberado mediante pagamento de fiança.

Da Redacao