S. Paulo – A Comissão do Negro e Assuntos Anti-Discriminatórios da Ordem dos Advogados do Brasil, secção S. Paulo, está mobilizando seus associados e conselheiros da Ordem para participarem em massa do ato marcado para o dia 15/02, às 19h, na sala Franco Montoro da Assembléia Legislativa, que marcará o lançamento do Movimento Nacional que exige respeito às diferenças e à diversidade no país.
O ato, que terá como tema “S. Paulo exige respeito às diferenças”, está sendo organizado pela CONAD, em conjunto com entidades do Movimento Negro, das comunidades judaica, latina, cigana, e lideranças da sociedade civil organizada, alarmadas com a escalada de violência e ódio presente, em especial, na Rede Mundial de Computadores. Na ocasião será lida uma CARTA ABERTA subscrita pelas entidades que estão lançando o Movimento.
Para o presidente da OAB-SP, Luiz Flávio Borges D’Urso “a sociedade deve estar atenta e repudiar qualquer manifestação que revele preconceito de qualquer ordem, especialmente os ataques dos intolerantes”. De acordo com o presidente da CONAD, Marcos Antonio Zito Alvarenga, é fundamental que o país adote uma legislação para punir exemplarmente, conforme recomenda a Declaração da Conferência de Durban, quem incita o ódio e a violência racial pelos meios tradicionais ou usando as modernas tecnologias. Ele lembrou que projetos de lei neste sentido tramitam no Congresso desde 1.999 e caminham a passos muito lentos.
No evento, serão apresentados casos recentes de discriminação e violência na rede mundial de computadores, como da Afropress (Agência Afroétnica de Notícias), que vem sofrendo perseguição sistemática de grupos racistas, sendo tirada do ar diversas vezes nos últimos meses; serão dados informes a respeito do andamento do caso do estudante Marcelo Valle Silveira Mello, o primeiro acusado de prática de racismo na Internet a sentar no banco dos réus, no Brasil, além da propagação de sites com mensagens ofensivas a negros, judeus, nordestinos e homossexuais.
Também serão lembrados os episódios da distribuição de panfletos apócrifos contendo conotação racista a judeus em casas dos bairros Jardim Paraíso e Jardim São Fernando, próximo ao Estádio Brinco de Ouro, em Campinas.

Da Redacao