S. Paulo – Sem ter ainda fechado o orçamento para as quatro Assembléias Nacionais programadas – a primeira das quais prevista para São Paulo, em outubro – a direção do Congresso de Negras e Negros do Brasil (CONNEB) procurou o prefeito Gilberto Kassab, do Partido Democratas (ex-PFL) e o governador de São Paulo, o tucano José Serra, para pedir apoio.
O encontro com Kassab aconteceu no dia 07 de agosto, quando Milton Barbosa, Miltão, do Movimento Negro Unificado (MNU), Edson Luis e João Carlos Borges Martins, do Coletivo de empresários e Empreendedores Afro-Brasileiros, além de Manoel Júlio (Julião) estiveram com o prefeito. Estavam acompanhados do secretário Ricardo Montoro, de Participação e Parceria, e de Maria Aparecida de Laia, responsável pela Coordenadoria Especial de Assuntos da População Negra – a CONE – da Prefeitura de S. Paulo.
O Congresso tem orçamento inicial previsto de R$ 9 milhões – o equivalente à metade do orçamento da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) para este ano -, quantia que é considerada alta inclusive para padrões federais em apoios a eventos desse tipo.
Segundo Edison Luiz, o encontro com Kassab foi “foi formal e muito objetivo” e o prefeito foi receptivo. Kassab determinou que o secretário Montoro estude as possibilidades de apoio.
Laia disse que foi encarregada por Montoro de fazer interlocução com o os dirigentes do Congresso ainda não está definido se o apoio será financeiro ou com a cessão de espaços. “Estamos vendo como vamos apoiar” disse. O orçamento inicial, entregue a Seppir em julho, de 9 milhões, é considerado fora da realidade e deverá ser refeito.
No Governo do Estado – de quem os dirigentes do Congresso igualmente esperam apoio – o encontro se deu com Luiz Antonio Marrey, Secretário da Justiça de Serra, no dia 31 de julho. O Secretário, por determinação de Serra, ficou de estudar como o Governo do Estado apoiará o Congresso.
Assembléia Nacional
A primeira grande Assembléia Nacional depois da abertura do Congresso que ocorreu em junho passado, em Belo Horizonte, acontecerá nos dias 11, 12, 13 e 14 de outubro, em S. Paulo, na Assembléia Legislativa. Está prevista a participação de cerca de 600 delegados de todo o país, o que implica gastos com passagens e hospedagens. A primeira avaliação de custos é de que, só em S. Paulo, os gastos estimados são de R$ 346 mil.
Haverão ainda mais três assembléias nacionais, em Porto Alegre, Belém e Salvador, até maio do ano que vem.
Apoio da Seppir
A Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), foi quem primeiro foi procurada. Dirigentes da Comissão Executiva do Congresso procuraram a ministra Matilde Ribeiro e, por determinação de Matilde, foram recebidos pelo secretário adjunto Martws das Chagas. Martws não quis falar sobre detalhes do encontro à Afropress, porém, Edson França, da Executiva do Congresso, disse que o orçamento de R$ 9 milhões – três vezes mais do que inicialmente previsto – terá de ser refeito. “A Seppir não tem condição de bancar um projeto nessa monta”, afirmou França.
Inicialmente a previsão de gastos com o Congresso estava estimado em cerca de R$ 3 milhões.
Segundo Chagas, ainda não está definido com quanto a Seppir vai apoiar, porém, ele garantiu que o apoio poderá se dar também com a abertura de uma interlocução com empresas estatais, que deverão ser procuradas.

Da Redacao