Belo Horizonte – A abertura do Congresso de Negros e Negras do Brasil, convocado pelo Movimento Negro Unificado (MNU), Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN) e União dos Negros pela Igualdade (UNEGRO), foi adiado de 23 de março para 22, 23 e 24 de abril, em Belo Horizonte.
A decisão foi tomada na reunião deste final de semana, da Comissão Executiva, na capital mineira, segundo Resolução divulgada “devido às dificuldades relacionadas ao levantamento de recurso em tempo hábil”.
A reunião expôs um quadro de divergências entre as organizações em torno de métodos, estratégias e do próprio conceito do Congresso. O fato de o orçamento, estimado em R$ 3,3 milhões, ter sido tornado público por iniciativa do dirigente Edson França, da UNEGRO e da Executiva, abriu uma crise, o que prolongou as discussões durante todo o período da manhã.
Lideranças do MNU, repercutindo a posição do coordenador de S. Paulo, Reginaldo Bispo, criticaram ásperamente a divulgação do orçamento, considerando impróprio tornar público que as organizações esperam contar com apoio federal para captar os 3,3 milhões junto ao Estado e empresas estatais, principalmente, utilizando a intermediação do ministro chefe da Secretaria Geral da Presidência Luiz Dulce.
Veto
A exclusão do Movimento Brasil Afirmativo da Coordenação Nacional, não foi ato resultante de equívocos na elaboração da ata da Assembléia Nacional de 13 e 14 de janeiro, no Rio, mas teve “característica de veto político”, segundo informa uma fonte que teve acesso ao movimento dos bastidores e que não quer ter seu nome identificado.
Segundo essa mesma fonte, está se buscando resolver o problema, com o convite ao Movimento Brasil Afirmativo e a outras organizações para que se amplie o número de integrantes da Coordenação Política.
Desde o dia 26 de janeiro, lideranças do Movimento Brasil Afirmativo pedem uma explicação a Milton Barbosa, do MNU, Ernesto Pereira, do CNAB, e Edson França, da UNEGRO, sobre as razões da exclusão. Não tiveram resposta formal, nem sobre as razões da exclusão, nem sobre os critérios pelos quais foram escolhidos os integrantes da Coordenação Nacional.

Da Redacao