S. Paulo – Na semana em que são lembrados os 124 anos da Abolição da Escravidão no Brasil, o Comitê da Juventude Negra, articulação que reúne várias entidades de S. Paulo, promove Jornada em defesa de reparações e direitos para as populações negra paulista e brasileira.
Segundo os organizadores da Jornada, o 13 de maio, “longe de ser um dia de festa, é dia de denúncia contra o racismo”. “Para negros e negras, há muito pouco o que comemorar. Infelizmente, passados 124 anos desde que o Brasil tornou-se o último país do mundo a libertar seus escravos, há muito o que denunciar”, afirmam.
Tema
O tema da Jornada este ano será “Contra as cotas, só os racistas!”, e tem como objetivo exigir a implementação imediata de políticas de ações afirmativas, em especial nas Universidades estaduais paulistas que resistem, por meio de suas reitorias, a adotar políticas de inclusão com recorte racial.
a Jornada também lembrará os ataques às terras das comunidades remanescentes de quilomobos, cuja existência tem sido ameaçada por fazendeiros e pelas grandes obras promovidas pelos Governos.
Mães de Maio
No domingo, quando também é comemorado o Dia das Mães, o Comitê levantará as bandeiras das “Mães pretas, mães de luto e de luta”, lembrando as histórias de sofrimento de todas as mães negras.
“Marcharemos ombro-a-ombro com as “Mães de Maio”, cujos filhos, companheiros, amigos e parentes foram assassinados há seis anos, quando agentes policiais e paramilitares ligados a grupos de extermínio mataram mais de 560 pessoas durante apenas 8 dias”, afirmam numa alusão ao confronto entre a Polícia de S. Paulo e o PCC – Primeiro Comando da Capital -, organização criminosa que atua dentro e fora dos presídios.
Confira as atividades da Jornada
10 de maio
Aula Pública e Marcha pelo centro de S. Paulo
Horário e local:16:30h, na Praça da Sé.
Mesa da “Aula Pública”: Milton Barbosa (MNU – mediadordo debate); Reginaldo Bispo (MNU – “A luta quilombola”); Danilo Cruz (Fórum de Esquerda / aluno de Direito/USP – “Em defesa das cotas) e representante do Movimento Mães de Maio (Contra a violência racista e policial).
Saída:18:30h
11 de maio
Aniversário do Núcleo de Consciência Negra
Debate: Identidade Negra Brasileira
Participação de Allan da Rosa (Arte-educador, escritor e angoleiro); Jupiara Gonçalves de Castro (Fundadora do NCN e trabalhadora do FMUSP) e o Prof. Dr. Salomão Jovino (Aruanda Mundi).
21 horas: Festa
12 de maio
Contra o genocídio da juventude negra
14 horas: Ato político e apresentações culturais em memória dos jovens negros mortos nas periferias de S. Paulo.
13 de maio
Homenagem às mães pretas
Manhã: panfletagem nas missas da Igreja Nossa
Senhora do Rosário dos Homens Pretos (Largo do Paissandu).
14 de maio
Debate sobre cotas, acesso e permanência (a confirmar)
Local:Pontifícia Universidade de São Paulo (PUC – SP)
Horário:18:30h

Da Redacao