Rio – O Hotel Copacabana Palace foi condenado a pagar R$ 150 mil ao ex-faxineiro negro Elias Barbosa, vítima de racismo, em 2.003. Barbosa e outras duas colegas, ambas brancas, foram acusados do sumiço de tíquetes e vales-transporte, porém, só ele foi demitido.
O Hotel argumenta que o ex-faxineiro foi demitido por que teria permitido a entrada de um funcionário não autorizado numa área interna. “A alegação de racismo é irreal, ele infringiu as regras. Nossa política é exemplar, procuramos ajudar e contratar negros” alegou o gerente geral Philipe Carruthers.
Ao defender a postura, o gerente acabou revelando, contudo, que dos 500 funcionários, apenas 60 são negros.
Entretanto, na sentença, a juíza Letícia Costa Abdalla, da 37ª Vara do Trabalho, destaca que o Hotel discriminou o ex-faxineiro, o único a ser punido com demissão. O Hotel ainda pode recorrer.
Barbosa disse que, depois do episódio, teve sua imagem praticamente destruída. “Sempre tive o respeito de todos os funcionários, eu era muito querido. Depois disso fiquei na pior”, contou.

Da Redacao