S. Paulo Dirigentes do Movimento Negro Unificado (MNU), que integram a Corrente interna “A Nossa Luta Unificada – ANLU”, reunidos nos dias 11, 12 e 18 deste mês, na capital paulista, encaminharam carta de apoio a nova ministra Luiza Bairros, que ocupará a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), a partir de 1º de janeiro.
Leia, na íntegra, o texto da Carta.
Prezada Luiza Bairros,
Como militantes do Movimento Negro Unificado vimos parabenizá-la nesta conquista política. Fomos [email protected] pela histórica construção de uma organização política, na qual você contribuiu para construir, tijolo por tijolo, e a coordenou nacionalmente.
Como mulheres e homens [email protected]s vimos a sua construção do espaço de discussão e implementação das lutas das mulheres negras deste país ganhar tal protagonismo, que culminou em um Fórum Nacional e uma Articulação Nacional de Mulheres Negras.
Você foi, de fato, uma das grandes dirigentes do MNU e nos orgulha e honra a sua escolha pela presidenta Dilma, pois o MNU, em sua trajetória, formou e potencializou a ação e conhecimento de inumeráveis militantes histó[email protected] – inclusive você irmã – da causa negra e da luta contra a opressão em geral.
Guardamos seus discursos no nosso Congresso, marcados pela determinação que a violência racial deste país sustenta o modelo capitalista e isso se manifesta nos territórios da exclusão.
Sim, quantos ensinamentos sobre a política e as estratégias de luta pelos direitos humanos desde a diáspora africana.
Nos reunimos, [email protected] de diferentes estados do MNU, em São Paulo, nos dias 11, 12 e 18 de dezembro e retomamos um marco histórico no MNU, que resgata a sua própria construção: A NOSSA LUTA UNIFICADA.
Um marco, porque reconhece no movimento negro e no Programa de Ação do MNU a proposta dialógica de construir UNIFICADAMENTE uma política de Estado democrático, a partir do movimento negro para o povo negro, para a nação brasileira.
Estado que hoje te reconhece Luiza, como profissional, militante, mulher negra, pessoa capacitada e humanamente preparada para construir e fortalecer uma política para igualdade de direitos neste país tão diverso e tão negro.
Decidimos que o MNU estará ao seu lado, nacionalmente, e ao lado deste projeto político comum: a construção de uma sociedade justa, plural e igualitária.
Conte conosco, companheira, que seguiremos contando com sua maravilhosa contribuição, na produção desses acordes que produzirão a melodia da justiça, da liberdade e da felicidade guerreira.
Guerreira como você, possível como nossas utopias.
Que as bençãos de Olorun te cubram em seus caminhos companheira.
Coordenação política da corrente interna do MNU
A NOSSA LUTA UNIFICADA

Da Redacao