S. Paulo – Em menos de quatro horas, cerca de 500 pessoas passaram pela mesinha instalada neste domingo, 08/10, por ativistas do Movimento Brasil Afirmativo, na quadra da Escola de Samba, Mocidade Alegre, na Avenida Casa Verde, bairro da Casa Verde, para assinar o abaixo assinado em favor do Estatuto da Igualdade Racial e do PL 73/99, projetos que criam Ações Afirmativas e cotas, em tramitação no Congresso.
Com autorização da presidente da Escola, Solange Bechara, e aproveitando a final para a escolha do samba enredo do carnaval/2.007, a mesa com as listas foi instalada na entrada da quadra. Em alguns momentos chegou a se formar fila de pessoas interessadas. “Pessoal, vamos assinar o abaixo-assinado pela igualdade racial no Brasil”, convocavam os ativistas. Foi a segunda vez que o abaixo-assinado foi passado na quadra da Escola.
Entre as centenas de pessoas que assinaram estava Luiz Alberto Paulino, o Luizinho do Pandeiro, Cidadão Samba de S. Paulo. “Eu me coloco nesse tema com muita firmeza. Se eu tenho hoje uma posição, foi graças a raça negra”, afirmou. A professora negra Tereza Santos, e especialista em cultura afro-brasileira, que participou da escolha do samba enredo da Escola também deu seu apoio.
Além de explicar que o documento deverá ser encaminhado aos Presidentes da República, do Senado e da Câmara, exigindo a votação e aprovação do Estatuto da Igualdade e do PL 73/99, os militantes do Brasil Afirmativo convocaram para a Parada Negra marcada para o dia 20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra, na Avenida Paulista.

Da Redacao