Resultado das andanças de Déa – nascida há 44 anos em Almenara, no Vale do Jequitinhonha, numa família de seresteiros -, o álbum registra cantos de Reza, Semba, Congado, Folia, Cozinha, Terreiro e Rua, revelando um país de riquíssimas sonoridades desconhecidas pelos próprios brasileiros.
No roteiro do encontro-espetáculo, faixas do álbum Tum tum tum, entre elas Tupinambá, Luandas, Filho da folha e Benzim Veloso, todas de domínio público, com adaptação livre de Déa Trancoso, mais Canarim do mato, adaptado por Wilson Dias, e Canto de uma terra, composta por Tadeu Franco. Déa será acompanhada por André Siqueira alternando violão e viola caipira de 14 cordas, Tabajara Belo no violão e André Vercelino na percussão.
Além da categoria disco regional e cantora regional, o disco de Déa também foi indicado ao Prêmio TIM de Música Brasileira do ano passado nas categorias projeto visual e cantora voto popular.
Recuerdos de Violeta
A convidada merece um capítulo à parte: a cantora e compositora chilena Tita Parra, neta da legendária Violeta Parra.
Tita vai trazer na bagagem quatro filmes de Violeta Parra, alguns feitos originalmente em película de cinema e dois deles desconhecidos até pouco tempo atrás pela própria família da artista. Em um deles, Violeta aparece cantando, falando, pintando (um talento que pouquíssimos conhecem) e tecendo trabalhos que foram expostos duas vezes no Museu do Louvre, em Paris.
Em outro vídeo, de 1963, Violeta entoa inéditas enquanto Tita dança com toda a graça de seus oito aninhos. E há também imagens gravadas por uma tevê suíça nos anos 60 e resgatadas recentemente pelo governo chileno. Déa ainda está elaborando a melhor maneira de apresentar estes documentos visuais.
Para quem só conhece Violeta Parra de nome, a artista foi compositora, cantora, artista plástica e ceramista, apontada como a mais importante folclorista chilena e um dos pilares da música popular daquele país. É considerada por muitos como a mãe da canção comprometida com a luta dos oprimidos e explorados. Compôs Volver a los 17, sucesso nas vozes de Mercedes Sosa e Milton Nascimento e‘Gracias a la vida, gravada por Elis Regina.
A direção do espetáculo disponibilizou 30 convites para os leitores de Afropress. Basta ligar para o telefone (011) 9647-7322 ou mandar e-mail para o seguinte endereço: abcsemracismo@yahoo.com.br, com a seguinte mensagem: “sou leitor (a) de Afropress e quero ver o show de Déa Trancoso e Tita Parra”. Os convites estarão à disposição no balcão de convidados do SESC Pinheiros e devem ser pedidos 30 minutos antes do início do espetáculo.
Serviço
Déa Trancoso recebe Tita Parra
Hora: 18h
Local: Segundo Andar do SESC Pinheiros
Informações: 11 3095-9400
www.sescsp.org.br
www.circusproducoes.com.br
Ficha técnica do show
Déa Trancoso – Voz
Tita Parra – Voz e violão
Tabajara Belo – violão
André Siqueira – violão e viola caipira
André Vercelino – Percussão
Antar Parra – Violão
Produção: circus produções culturais – www.circusproducoes.com.br
Realização: SESC SP

Redação de Afropress. Na foto cartaz do Show de Déa Trancoso, no Sesc Pinheiros