S. Paulo – Afastada do mandato desde 24 de abril deste ano, por conta de uma liminar impetrada pelo Ministério Público, a vereadora Claudete Alves (PT-SP) única vereadora negra da Capital, ainda aguarda decisão do Tribunal de Justiça de S. Paulo sobre o recurso que pode lhe devolver o mandato.
Claudete foi afastada por acusação de improbidade administrativa, em ação movida pelo Ministério Público. Ela é acusada por ex-funcionários de seu gabinete de que ficaria com parte dos vencimentos. Segundo a denúncia dos assessores, dos 18, pelo menos 12 devolviam, parte dos vencimentos à vereadora.
A vereadora diz estar sendo vítima de vingança política por parte de uma ex-assessora magoada por ter sido demitida. Lideranças do seu grupo político queixam-se da absoluta falta de solidariedade da comunidade negra e de lideranças que permanecem em absoluto silêncio.
O advogado Kleber Bispo dos Santos, que acompanha o recurso no Tribunal, disse estar confiante em uma decisão da Justiça nos próximos 15 dias. O relator do processo é o desembargador Oswaldo Magalhães, que ainda não se manifestou.
Caso a decisão seja favorável a derrubada da liminar, Claudete reassume o mandato e o processo segue até julgamento do mérito. Caso isso não aconteça, ainda pode recorrer ao Superior Tribunal de Justiça – última instância neste tipo de caso – para reaver o mandato.

Da Redacao