São Paulo – O delegado Marcos Aníbal de Andrade, do 10º DP da Penha, que preside o Inquérito do caso do garoto negro T., de 10 anos – apreendido e levado para um quartinho por seguranças do Hipermercado Extra, da Marginal Tietê, na Penha, onde foi obrigado a tirar a roupa sob ameaças de chicotadas – ouvirá nesta sexta-feira (11/02), às 14h, dois dos seguranças acusados.
Os nomes dos envolvidos não foram revelados, porém, Afropress apurou que serão ouvidos o responsável pelo circuito interno de TV da loja e o patinador, que teriam presenciado o que ocorreu e deverão relatar a autoridade policial a sua versão.
Passados quase um mês, os nomes dos acusados, que já foram formalmente pedidos pela Polícia ao Extra, ainda são desconhecidos. Por isso mesmo, ainda não se sabe quais as providências que a empresa tomou, nem se alguém foi punido.
O caso tem sido acompanhado pela Comissão de Direitos Humanos da OAB de S. Paulo, Comissão da Igualdade Racial, pelo Conselho Especial de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CONDEPE) e pelo Ministério Público do Estado de S. Paulo.
O pai da criança, Diógenes da Silva, que trabalha com reciclagem de materiais usados, disse que espera resultado nas investigações. “Eu quero Justiça”, afirmou.

Da Redacao