Rio Claro/SP – O depoimento à Polícia do guardador de carros Sebastião Gonçalves de Oliveira, 57 anos, que estava com o idoso Benedito Oliveira (foto), e também agredido ao tentar socorrê-lo, dá detalhes da covardia do ataque da gangue neonazista.

Os dois acusados – Hélcio Alves Carvalho e Axel Leonardo Ramos – um dos quais, segundo a Polícia, tem tatuagens com motivos neonazistas pelo corpo, vinham até aqui tendo suas identidades não divulgadas no noticiário e, embora sejam maiores e, portanto, penalmente responsáveis, vinham recebendo a proteção que só é devida a crianças e adolescentes conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Veja o depoimento da outra vítima, Sebastião Gonçalves, também guardador de carros, branco, que teve apenas ferimentos leves, ao tentar socorrer o idoso.

“Neste ato deseja representar contra os indiciados Helcio Alves Carvalho e Axel Leonardo Ramos pela agressão sofrida. Que o declarante informa que  há muitos anos trabalha como guardador de carros na região do Grupo Ginástico, justamente com o Sr. Benedito que é seu conhecido; que, estavam nas proximidades do local, trabalhando quando surgiram três indivíduos sendo que dois deles passaram a ofender a vítima Sr. Benedito, chamando-o de “vagabundo”; passaram a provocar o Sr. Benedito, dizendo para o mesmo “vai trabalhar. Fica de vagabundice, isso não é serviço, seu velho, seu preto, seu negro”; que, o Sr. Benedito perguntou o porque a eles o porque de tais ofensas e eles então foram para cima do Sr. Benedito, o qual ao perceber que os indivíduos estavam bastante agressivos, correu em direção ao declarante; que então, os dois indiciados aqui presentes identificados como Helcio Alves Carvalho e Axel Leonardo Ramos, chegaram e agrediram o declarante, vindo a derrubá-lo com socos; que, o declarante caiu no chão, mas conseguiu se levantar rapidamente; que, como algumas pessoas estavam passando pelo local e viram a agressão, as testemunhas aqui presentes desceram do veículo e foram em direção aos indivíduos os quais pararam de agredir o declarante. Que, porém com o Sr. Benedito estava escondido atrás de um veículo, eles se afastaram e conseguiram encontrá-lo e então o jogaram no chão, com um golpe e passaram a chutá-lo na região da cabeça e socos, sendo que somente os dois indiciados aqui presentes que agrediram o declarante e o Sr. Benedito, sendo que o terceiro indivíduo que estava com eles tentava segurá-los a fim de evitar a agressão. Mas eles não paravam; Que as testemunhas tentaram segurá-los , mas os indiciados após agredirem o Sr. Benedito fugiram correndo do local; que, as duas testemunhas saíram ao encalço dos indiciados bem como seguranças da Engefort que passavam também no local; que, a Guarda Municipal foi acionada e o SAMU; que após a chegada da guarda Municipal explicou o ocorrido e logo após teve conhecimento que as testemunhas conseguiram segurar os indiciados com a ajuda dos seguranças da Engefort nas proximidades do local da agressão; que, o Sr. Benedito foi socorrido pelo SAMU até o Hospital e pelo que tem conhecimento encontra-se em estado grave; que após a agressão, o Sr. Benedito ficou desmaiado no local, com a cabeça toda ensanguentada; que o declarante nunca tinha visto os dois indiciados anteriormente; os quais lhe são desconhecidos; que além das agressões sofridas, os indiciados também chamaram o declarante de “sujo, vagabundo”, dizendo “vai procurar serviço”; que o declarante não quis passar pelo Hospital e encontra-se com ferimentos leves. Nada mais disse nem lhe foi perguntado”.

 

Da Redacao