Porto Velho/RO – A prática de racismo, por parte de oficiais da Polícia Militar de Rondônia contra soldados e a existência de uma lista negra na corporação, foi denunciada pelo deputado estadual Wilber da Astir, esta semana da tribuna da Assembléia. Segundo o deputado, o caso mais flagrante envolve o primeiro tenente André Roberto Azevedo, do 1º Batalhão, que passou a perseguir e discriminar o soldado Alan Kardek, a quem chama de “negrinho”.
O parlamentar contou que o oficial chegou a seguir o soldado pelas ruas de Porto Velho durante a madrugada, avançando, inclusive, os sinais vermelhos de trânsito. Acrescentou que é comum o tenente se dirigir ao soldado nestes termos: “Ó, seu neguinho, estou te ordenando que se desloque até o Batalhão e me aguarde lá”.
De acordo com o parlamentar, a lista negra foi criada para enquadrar os soldados de cor negra que, por qualquer motivo, são punidos pelos oficiais. “É um crime abjeto, asqueroso, nojento”. “Quero que essa lista negra seja encaminhada ao parlamento”, finalizou. Depois das denúncias, a Assembléia decidiu pedir explicações ao Comando Geral da PM.

Da Redacao