Maputo/Moçambique – A Escola de Comunicação e Artes da Universidade Eduardo Mondlane (UEM) – a maior de Moçambique com cerca de 27 mil estudantes de diversos cursos – está contratando professores para as disciplinas de Televisão. As disciplinas, segundo o diretor, professor Nataniel Ngomane, são dadas a alunos do 3º ano do Curso de Jornalismo, e correspondem a TV1, no primeiro semestre, e TV2, no segundo.

Em e-maill enviado de Maputo, ao editor de Afropress, jornalista Dojival Vieira, Ngomane pediu ajuda para identificar “daí desse lado, esses dois professores que possam estar interessados em vir a Moçambique lecionar essas duas matérias por um período de, pelo menos, dois anos”.

Ele também encaminhou os respectivos programas das disciplinas que, acrescentou, “poderão ser ajustados de acordo com a orientação que os professores pretendem dar”.

Além de lecionar, os professores brasileiros interessados terão também que formar dois monitores das respectivas matérias, preparando-os para assumirem as funções docentes; ajudar a criar o núcleo da TV Universitária da UEM, na ECA, orientar cursos de capacitação do CECOMA – Centro de Comunicação e Marketing da UEM, e apoiar na organização do banco de imagens da Universidade.

“Como disse, temos urgência na contratação desse pessoal. Embora as nossas aulas tenham início já no próximo 11 de fevereiro (o e-mail foi enviado dia 31 de janeiro), nada impede que os professores interessados possam iniciar as suas actividades com certo atraso, podendo ajustar os seus programas com o decorrer do tempo”, conclui Ngomane.

Visita de Afropress

Em novembro de 2011, em entrevista ao editor de Afropress, que foi a Maputo convidado como palestrante para participar do I Seminário Nacional de Jornalismo Cultural, Ngomane defendeu que a integração Brasil/Moçambique não deve se dar apenas ao nível dos Governos. “Tem de “Tem de acontecer nos diferentes níveis, da Academia, do Jornalismo, da Música, do Teatro, das coisas do dia a dia. E é nesse sentido que estou otimista porque acredito que essas coisas vão acontecer e já estão acontecendo”, afirmou, na ocasião. Ngomane viveu por oito anos no Brasil e fez doutorado na Universidade de S. Paulo (USP).

Ele não informa qual o salário, nem as condições do contrato a ser assinado. Os interessados podem fazer contato pelo e-mail: redaçã[email protected].  Os nomes dos candidatos e seus respectivos currículos serão encaminhados ao diretor da ECA/Maputo.

 

Da Redação