Lauro de Freitas – O segundo dia do Encontro Nacional de Juventude Negra foi marcado pelas discussões sobre os 14 eixos temáticos, entre os quais, saúde, educação, religiosidade e educação sexual. Cada eixo teve o limite máximo de 40 participantes, o que possibilitou uma grande interatividade entre os delegados, observadores e palestrantes.
Um dos temas mais concorridos a educação. O grupo, que foi o último a encerrar o debate, abordou a problemática do ensino básico e fundamental que é oferecido para às crianças e jovens negros, o que resulta na dificuldade de acesso em diversos outros espaços. Além de
trabalhar a questão das relações raciais que ocorrem na sala de aula e como isso interfere na vida acadêmica do povo negro.
O eixo teve como palestrante o doutor em economia e um dos fundadores da Ong Steve Biko, Sílvio Humberto, que iniciou a sua fala fazendo uma retrospectiva histórica sobre as lutas do movimento negro e a educação e dos avanços obtidos. Sílvio fez questão de frisar a década
de 80 como o marco da luta do movimento negro. Mas que foi a partir de 1993 que de fato essas conquistas foram concretizadas.
O encerramento da discussão ocorreu com a apresentação dos encaminhamentos tirados durante o debate. As propostas serão transformadas em um documento que deve ser apresentando tanto para o governo, como para a sociedade civil. O eixo foi pautado pela diversidade de opiniões, mas uma proposta foi unânime: a cobrança imediata da implantação, de forma efetiva, da Lei 10.639/03 em todas as instituições escolares do país.

Da Redacao