S. Paulo – O Frei David Raimundo dos Santos Ofm, diretor Executivo da Educafro, a maior rede de cursinhos pré-vestibulares para negros e carentes no país, disse que a organização não participará do Congresso de Negros e Negras do Brasil, proposto por algumas organizações do Movimento Negro, como o Movimento Negro Unificado (MNU), a UNEGRO e a Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN).
“A comunidade negra precisa superar uma fase em que nós mesmos exigíamos de nós, a ferro e fogo, uma unidade impossível”, afirmou, destacando, no entanto, que “a Educafro entende como fundamental a articulação da comunidade negra em todos os setores da sociedade”.
Segundo Frei David, essa busca de unidade a qualquer custo foi uma característica de movimentos surgidos na década de 70 e que ficava expressa até mesmo no nome das entidades. Citou como exemplo, o Grupo União e Consciência Negra, entidade ligada a Igreja Católica, e o próprio Movimento Negro Unificado (MNU). “Assim como os brancos estão em todos os partidos e tendências, e não necessariamente debaixo do mesmo guarda-chuva, nós negros também devemos nos permitir esse direito. O respeito à diversidade é fundamental”, afirmou.
Frei David disse que a não participação da Educafro também se deve ao fato de a organização está numa fase de excesso de trabalho. “Temos a meta de conseguir a inclusão de 2 mil estudantes negros na Universidade, até o mês de abril. Não podemos ter participações extras nesse período”, concluiu.

Da Redacao