Nova Orleans – O pastor Major Jemison, presidente da Convenção Batista Nacional Progressista, disse que o caos gerado pela passagem do furacão Katrina que atingiu predominantemente a comunidade negra, expõe o racismo institucional ainda existente nos Estados Unidos: “O atraso do governo para ajudar os pobres, os feridos e as pessoas desamparadas é terrível” – afirmou.
Esta semana, o presidente do Partido Democrata, Howard Dean, fez coro aos protestos dos evangélicos negros americanos, ao participar, em Miami, de uma Conferência de Pastores Negros. “A cor da pele, disse Dean, a idade, a situação econômica, desempenharam um grande papel para distinguir os que tinham de sobreviver dos outros”.
O democrata lembrou que o mais recente Censo publicado no final do mês passado revelou que, cerca de um quarto dos negros americanos vivem abaixo da linha de pobreza no ano passado, o que representa praticamente o dobro dos números existentes na sociedade americana.
Pesquisa publicada também esta semana pelo Instituto Pew Research Center, mostrou que, para 71% da comunidade negra americana, a devastação provocada pelo Katrina, que atingiu predominantemente a população negra, demonstrou que a desigualdade racial continua sendo o principal problema do país.
As cenas de abandono da comunidade negra, serviram para aproximar a oposição democrata das lideranças que acusam o Governo Bush de racismo. O senador Edward Kennedy e outros influentes parlamentares, organizaram uma reunião com lideres da comunidade negra para analisar o “pós-Katrina e “atacar as disparidades na sociedade. “Os ventos desta tormenta arrancaram a máscara dos que deixaram muitos americanos abandonados”, disse Kennedy.

redação