Salvador – Com a presença do governador Jacques Wagner e de 13 embaixadores de países africanos, foi aberto nesta segunda-feira (26/10), no Hotel Stella Maris, o Colóquio Brasil-África, promovido pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do Governo Federal e Governo da Bahia.
O encontro, que teve a presença do ministro chefe da Seppir, deputado Edson Santos, tem como objetivo ampliar as oportunidades, inclusive comerciais, no intercâmbio com os países africanos intensificado no atual governo.
Lula é o presidente que mais aproximou o Brasil da África, segundo o coordenador do Coletivo de Empresários e Empreendedores Afro-Brasileiros (Anceabra), João Bosco Borba (foto à direita), membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. Borba abriu o encontro, representando o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.
Trocas comerciais
Essa aproximação, segundo o coordenador do Anceabra, significou o aumento expressivo das relações comerciais com países como a Nigéria, que teve um aumento das exportações de R$ 5 bilhões, em 2002, para R$ 30 bilhões no ano passado. “Só com a Nigéria, as trocas comerciais quintuplicaram e hoje chegam a US$ 8 bilhões. O País se tornou o 13% parceiro comercial do Brasil”, salientou.
“Se você olhar como era, nós evoluímos muito”, destaca o cientista político também membro do Conselho, Murilo Aragão, para quem é fundamental investir nas ligações aéreas e de navegação com os países africanos. “A potencialidade econômica é grande e a identidade cultural evidente. No Senegal é um sucesso a venda de produtos brasileiros”, concluiu.
Brasil e África
Na abertura, João Bosco Borba, saudou os embaixadores africanos de países, como Angola, Moçambique, Senegal, Tanzânia e Namíbia, entre outros. “O século XIX foi da França. O XX dos Estados Unidos e o XXI será do Brasil e dos países africanos”, assinalou.
Já o governador Jacques Wagner disse que não havia lugar mais apropriado para o Colóquio Brasil/Africa. “Salvador é a capital mais africana fora da África”, afirmou. Wagner cometeu uma gafe ao citar “o presidente da Fundação Palmares Zulu Araújo, do Ministério da Agricultura”.
Alertado pelo deputado Luiz Alberto (PT-BA) ironizou. “A cultura nada mais é do que uma grande plantação de idéias”, emendou arrancando risos e aplausos.
O embaixador de Zimbabue, Decano do Grupo dos Embaixadores Africanos, Thomas Sukutai Bvuma, que falou em nome dos diplomatas africanos, disse que o encontro é um marco nas relações dos países da África com o Brasil e destacou que a cultura e a agricultura são os campos em que há mais possibilidade de trocas comerciais. “Já temos essa forte ligação com a cultura e a história”, afirmou.
Palestra
Desfeita a mesa de abertura, da qual fizeram parte, o presidente da Assembléia Marcelo Nilo e a Secretária Executiva do Ministerio do Desenvolvimento Econômico e Combate à Fome, Arlete Sampaio, o professor Ubiratan Araújo, presidente da Fundação Pedro Calmon, fez palestra sobre “Os aspectos culturais da relação Brasil-Africa”, destacando que as afinidades entre as identidades africana/baiana e brasileira.
No final os presentes foram saudados com um show de boas vindas do Grupo Bahia Bela, do Mestre Evandro, e com um coquetel. O Grupo existe há 25 anos e, segundo mestre Evandro, já se apresentou em 25 países, mostrando aspectos da cultura baiana e brasileira.
Veja a programação do Colóquio que prossegue nesta terça-feira, 27/10.
 Painel “Panorama estratégico e desafios da relação Brasil-África” (09h00 às 11:30)*
o Coordenador: Conselheira Tânia Bacelar
o Palestrantes:
 Assane Diop, Diretor Executivo do Setor de Proteção Social da OIT – “Desenvolvimento Social – desafios comuns Brasil-África”
 Embaixador Pedro Luiz Rodrigues, Diretor de Relações Internacionais da Presidência do Senado Federal. Ex-embaixador do Brasil na Nigéria – “Cooperação Brasil-África”
 Zulu de Araújo, Presidente da Fundação Cultural Palmares – “Diálogo e Participação da Sociedade Civil”
 Jose Flavio Sombra Saraiva, Professor Titular da Universidade de Brasília (UnB) – “A nova agenda da África e o lugar do Brasil”
 Ministro Edson Santos da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial – “A Relação entre os povos”
o Esclarecimentos / Considerações Finais
 Mesas de Diálogo (11h30 – 16h00)**
I. Cooperação Brasil-África: projetos em andamento e perspectivas de ação compartilhada
Coordenador: Ministro Marco Farani, Diretor da Agencia Brasileira de Cooperação – ABC
Relator: Conselheiro Paulo Speller
II. Comércio, Investimentos e Oportunidades de Negócios
Coordenador: Conselheiro João Bosco Borba
Relator: Conselheiro Murillo de Aragão
III. Desenvolvimento Social
Coordenador: Arlete Sampaio, Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS)
Relator: Conselheiro (a confirmar)
IV. Diálogo e Participação da Sociedade Civil:
Coordenador: Renato Martins – Assessor Internacional da Secretaria Geral da Presidência da República, Coordenador do Fórum da Sociedade Civil na CPLP
Relator: Conselheira Nair Goulart
 Plenária “Recomendações do Colóquio e os próximos passos” (16h20)
 Encerramento (17h30)

Da Redacao