Salvador – Antes mesmo de ser encerrado oficialmente, o balanço feito por entidades do Movimento Negro da organização do Encontro Íbero-Americano do Ano Internacional dos Afrodescendentes – o Afro XXI -, realizado durante quatro dias, em Salvador, pela SEPPIR, tornou-se um problema a ser enfrentado pela atual ministra Luiza Bairros, cuja permanência à frente do cargo é tida como incerta.

O Coletivo de Entidades Negras (CEN), uma das principais articulações de entidades negras do país, com forte inserção nas religiões de matriz africana, inclusive na Bahia, distribuiu Nota em que acusa a SEPPIR de “má condução e aparelhamento do Encontro” e a ministra de insensibilidade . “A cada dia se esgotam quaisquer possibilidades de diálogos com uma equipe que se apresenta surda e indiferente a qualquer relação mais profunda com as organizações do movimento social negro”, afirma a Nota, assinada pelo coordenador geral do CEN, jornalista Márcio Alexandre. Afropress tentou, sem sucesso, falar com a direção da SEPPIR para ouvir a posição da ministra Luiza Bairros.

Gota d'água

A gota d’água para a tomada da posição aconteceu com o veto à participação de Mãe Lúcia de Oxum, cujo nome a direção da entidade havia encaminhado aos organizadores para garantir a presença de mais mulheres na comissão a ser recebida pela Presidente Dilma Rousseff e demais chefes de Estado na manhã deste sábado (19/11), no Palácio da Aclamação. A Comissão, composta por cinco lideranças de entidades brasileiras e cinco da América Latina e Caribe, foi constituída para fazer a entrega da Carta de Salvador, documento com as propostas da sociedade civil brasileira e íbero-americana. Organizadores justificaram a impossibilidade da troca de nomes por imposição do cerimonial e da segurança da Presidência da República.

Sem diálogo

Segundo Márcio Alexandre, “a notável inabilidade que a atual equipe da SEPPIR tem em reconhecer e dialogar com as organizações do Movimento Negro, tem nos levado a uma lógica autofágica onde, as disputas políticas maiores por espaços políticos menores têm se tornado a tônica de eventos como estes e da relação cotidiana com a SEPPIR”. “A verdade dos fatos é que, desde o inicio a Seppir se apoderou do evento como se fosse dela e a comissão não teve condições efetivas de construir um bom processo, tanto na discussão dos critérios com relação à participação, quanto da organização real do encontro que, em vários momentos beirou a um amadorismo que há muito não se via no campo dos movimentos sociais”, afirmou.

Alexandre acusa a direção da SEPPIR de “estimular uma luta fraticida entre as organizações nacionais, que não levará a absolutamente nada”. “Entendemos que, ao promover um evento com os chefes de estado em que as organizações nacionais assistirão a reunião por um telão e apenas cinco a assistirão in loco, mas mesmo assim sem direito a fala ou mesmo a possibilidade de entregar um documento às autoridades, a SEPPIR cometeu o grave erro de avaliação.”

Protesto

Diante do impedimento, a direção da entidade decidiu não comparecer ao encerramento do Encontro, em protesto e divulgar a Nota, dizendo-se possuída de “indignação, revolta, tristeza e sensação de impotência”. Ao mesmo tempo lançou um apelo pela convocação de uma grande reunião nacional do Movimento Negro Brasileiro para avaliar o quadro atual e apresentar alternativas à Presidência da República de uma nova direção para a SEPPIR: “A problemática étnico-racial no Brasil não pode e nem deve ser restrita apenas a um ou outro órgão, mas precisa ser vista como um todo, onde a socidade brasileira avance na superação das desigualdades provocadas pela discriminação e pelo racismo”, conclui a Nota.

Veja entrevista com Mãe Lúcia de Oxum – Fonte:Coletivo de Entidades Negras (CEN)

Da Redacao