S. Paulo – Entidades e lideranças negras e das comunidades judaica, latina, e lideranças de grupos historicamente vítimas de discriminação, sob a coordenação da Comissão do Negro e Assuntos Discriminatórios (CONAD) da Ordem dos Advogados do Brasil de S. Paulo intensificarão, a partir desta sexta-feira, a mobilização para o ato marcado para às 19h do dia 15/02, na Assembléia Legislativa de S. Paulo, em que será lançado o Movimento Nacional pelo Respeito e Valorização da Diversidade.
Na noite desta quinta-feira, na sede da CONAD, foram discutidos detalhes do ato em que se pretende dar um “Basta” à cultura de violência e de desrespeito às diferenças. O movimento, por definição, é aberto, também aos setores solidários da sociedade civil comprometidos com a não-violência e a defesa dos direitos humanos.
Para as lideranças, a escalada de violência, de racismo e de pregação de ódio, visível em especial na Internet e em agressões recentes às comunidades judaica, representam uma ameaça aos valores democráticos da sociedade e conspiram contra a afirmação de uma cultura de paz.
Durante o ato será lida uma Carta Aberta em que também se pede maior celeridade do Congresso Nacional na adoção de uma legislação que puna exemplarmente os autores de crimes – como a prática do racismo – que se escondem na Internet.
O Movimento começou a ser articulado pelas entidades, sob a coordenação da CONAD a partir de dois fatos recentes: os ataques de bandos racistas e neonazistas que tiraram por dias a Afropress do ar e o início do julgamento do estudante Marcelo Valle Silveira Mello, da UnB, o primeiro acusado de crimes de racismo na Rede Mundial de Computadores.

Da Redacao