S. Paulo – O presidente dos EUA, Barack Obama, não é unanimidade entre os negros brasileiros, pelo menos a julgar pelas posições assumidas pela UNEafro/Brasil, entidade com sede em S. Paulo, e pela UNEGRO (União de Negros pela Igualdade), articulação de lideranças ligadas ao PC do B.
A UNEafro/Brasil, que é uma dissidência da Rede Educafro – a maior rede de cursinhos pré-vestibulares para negros no Brasil, ligada à Igreja Católica, e dirigida pelo Frei David Raimundo dos Santos – lançou Nota Pública em protesto e chama o presidente americano de “traidor”. “Fora Obama, traidor do povo negro no mundo!”, diz a Nota.
Para Douglas Belchior (foto), do Conselho Geral da UNEafro, Obama está “a serviço do capitalismo e dos interesses das megacorporações econômicas do mundo” e dá “continuidade à política imperialista e racista centenária dos EUA”. “Barack Obama não nos representa e não pode ser considerado um de nós!”, conclui.
O coordenador geral da UNEGRO, Edson França, disse que a entidade apoiou os protestos e a queima de bandeiras americanas contra a visita de Obama ao Brasil. “Nós temos críticas. O Obama continua com as mesmas políticas do Bush [George Bush, ex-presidente americano]. Prá nós, negro é igual a branco. Fez política errada tem de criticar. Não basta ser negro prá ser meu irmão. Negro a serviço do capital é tão inimigo quanto o branco”, acrescentou França.
A UNEGRO é a entidade que reúne lideranças negras ligadas ao Partido Comunista do Brasil, base dos Governos Lula e Dilma. A entidade também indicou nomes para compor a nova direção da SEPPIR, chefiada pela ministra Luiza Bairros.
Veja a íntegra da Nota da UNEafro.
O presidente Barack Obama, primeiro negro a dirigir o império estadunidense, estará no Brasil nos dias 19 e 20 de Março. Ironia do destino, véspera do dia 21 de Março, quando se celebra o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial.
Mas, o que tem a dizer os movimentos populares e, especialmente, o movimento negro brasileiro diante da presença de Obama no Brasil?
Para nós, da UNEafro-Brasil, apesar da importância simbólica e histórica de sua eleição (afinal, trata-se de um negro dirigindo um país com histórico de preconceitos e perversidades acentuadíssimas contra a população negra), Barack Obama não surpreendeu e simplesmente manteve a imposição da cartilha capital-imperialista dos EUA ao resto do mundo.
Para dentro de casa, a política de Obama impõe a violência, a tortura, a prisão e a morte. Os EUA detém a maior comunidade carcerária do mundo. Destes, maioria esmagadora de negros e outros tantos condenados foragidos ou respondendo a processos.
A crise econômica que mina a sociedade norte-americana não é novidade para os negros estadunidenses, que vivem em regiões que continuam a ser os “bairros dos negros”, onde os serviços públicos são precários e onde os empregos são os piores e mal pagos. Múmia Abul Jamal, símbolo internacional na luta do povo negro continua no corredor da morte e o Sul dos EUA, empobrecido e abandonado, sofre ainda com os efeitos do furacão Katrina, além da presença permanente das organizações racistas, inclusive remanescentes da Ku Klux Klan.
Para fora, a política militarista e as articulações lobistas continuam. Obama mantém a prisão de Guantánamo e o embargo imperialista a Cuba; O apoio à manutenção das tropas estrangeiras no Haiti, além da permanente intervenção militar na América Latina a partir do cooptação dos governos do México e da Colômbia. A mesma lógica imperialista se mantém no oriente médio, onde os EUA colocam seus interesses econômicos acima da autonomia e da cultura dos povos daquela região.
Diferente do que gostaríamos, Barack Obama, o primeiro negro a ocupar a chefia do império estadunidense se comporta como um branco, governa como um branco e impõe seu poder, como comandante da maior potência econômica mundial (apesar da crise), como se fora um velho Ianke.
Por estar a serviço do capitalismo e dos interesses das megacorporações econômicas do mundo; Por dar continuidade à política imperialista e racista centenária dos EUA; Por empregar, direta ou indiretamente, políticas de genocídio e extermínio em todo o mundo, em especial na África, América Latina e em países do Oriente Médio, Barack Obama não nos representa e não pode ser considerado um de nós!
Fora Obama, traidor do povo negro no mundo!

Da Redacao