S. Paulo – Lideranças de entidades do Movimento Negro e Movimentos sociais farão nesta terça-feira (06/07), em S. Paulo, o “Dia de Denúncia do genocídio da população negra e pobre de S. Paulo”, com a entrega de um Dossiê-Denúncia ao Ministério Público, OAB, Arquidiocese de S. Paulo e Palácio dos Bandeirantes.
O Dossiê relata denúncia de torturas e assassinatos de jovens negros e pobres pela PM de S. Paulo, e exige do governador, Alberto Golman, do PSDB, a exoneração imediata do Secretário de Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, e do comandante geral da Polícia Militar, coronel Álvaro Camilo.
Audiência Pública
Trata-se do mesmo documento que foi entregue a Comissão Especial de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa de S. Paulo, durante a Audiência pública realizada no dia 09 de junho em protesto pelo assassinato dos motoboys Eduardo Luiz Pinheiro e Alexandre Menezes. Pinheiro foi morto sob tortura num quartel da Zona Norte; Menezes espancado até a morte em frente à sua casa na presença da mãe. Os policiais acusados foram presos e respondem a processo por homicídio.
Condepe
Os organizadores do Dossiê também deverão entregar cópia ao presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), o jornalista Ivan Seixas.
Seixas disse que pedirá oficialmente ao governador Alberto Goldman uma audiência, em nome de entidades e familiares dos jovens mortos para pedir proteção às famílias – inclusive o caso mais recente – o do ajudante de pedreiro Cristiano da Silva, morto em circunstâncias suspeitas, na Vila Nova Cachoeirinha.
Segundo Douglas Belchior (foto), do Conselho Geral da UNEAFRO/Brasil – uma das entidades que juntamente com o Movimento Negro Unificado (MNU), a Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN) e o Círculo Palmarino – convocam a manifestação, a mobilização pretende pressionar o governador a se pronunciar sobre as mortes cometidas por policiais militares.
“O Estado Brasileiro é o promotor da violência. A juventude negra é o alvo. Exigimos que o governador tome providências, que apure as denúncias, que puna os culpados, que mude a postura da PM, a começar pela exoneração do Secretário da Segurança do Comando da PM. Vamos mobilizar toda a sociedade em defesa da vida. Não é possível tolerar assassinatos promovidos por aqueles que deveriam garantir a nossa segurança”, afirmou.
O Dossiê, segundo Belchior, também será encaminhado a Tribunais Internacionais e a instituições de Defesa dos Direitos Humanos.

Da Redacao