Vitória – A Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), através do seu Conselho Superior, votará no próximo mês de maio, a proposta de adoção de cotas para negros e indígenas. A proposta prevê a reserva de 26% das vagas nos vestibulares para negros, 24% para alunos oriundos da escola pública e 1% para indígenas, e se baseia em dados do IBGE.
No dia 23 deste mês o projeto será debatido na Câmara de Graduação e depois segue para o Conselho Superior – a última instância de decisão da Universidade.
Esta semana membros da Comissão Pró-Cotas da Ufes e do Fórum Estadual de Entidades Negras (Conen-ES) se reuniram com o reitor Rubens Rasseli para pedir a agilização do processo.
O reitor reiterou o compromisso em manter o Núcleo de Estudo do Negro, grupo de pesquisa multidisciplinar que tem como objetivo desenvolver projetos culturais, sociais e econômicos sobre a atuação do negro no campus. O Núcleo também pretende planejar estratégias que possibilitem ao estudante afro-descendente de baixa renda manter os custos do estudo universitário depois de aprovado no vestibular.
Até o momento, cerca de 17 Universidades Estaduais e Federais do país, por meio de suas instâncias internas, já aprovaram a adoção de cotas. Projeto neste sentido também tramita no Congresso Nacional.

Da Redacao