Trata-se de um projeto da ONG ABC SEM RACISMO, fundada em maio de 2.004, no espírito das Resoluções da III Conferência Mundial contra o Racismo a Xenofobia e a Intolerância correlata realizada pela ONU, em Durban, África do Sul, que entre outras coisas recomenda o uso de novas tecnologias, inclusive da Internet, para a reprodução de "boas práticas no combate ao racismo, discriminação racial, xenofobia e intolerância correlata". A proposta da AFROPRESS é se tornar uma dessas "boas práticas"; constituir-se em espaço de diálogo dos negros nos cinco continentes – dos vários rincões do Brasil, às Américas do Sul, Central e do Norte; da Mãe África espoliada, desde sempre pelos vários tipos de colonialismo à velha Europa, onde o racismo e a xenofobia mostram os dentes sujos de sangue nos estádios de futebol em alegres tardes de domingo. Que o digam os atletas brasileiros que atuam no futebol europeu, como Cafu, Roque Júnior, Adauto e outros! A quase totalidade dos "sites negros" e/ou que tratam do tema da diversidade étnica e racial – a grande maioria de excelente qualidade -, aborda a questão do racismo e da diversidade, de modo amplo, porém, fala para dentro. Queremos falar para fora, para o mundo. Entendemos o racismo e a discriminação e a exclusão a todos os povos e grupos étnicos, como uma chaga, que atinge diretamente a nós negros e a estes grupos e povos. Contudo, não o vemos como um problema só nosso. É um problema do Brasil e de todos os negros e povos do mundo. Fonte de informações ágil e dinâmica aberta à consulta de Escolas, Universidades, Empresas, pesquisadores, lideranças do movimento negro e pessoas interessadas no tema, a AFROPRESS quer se tornar também um espaço de reflexão e debate. Essa reflexão será proposta pelos artigos escritos por pesquisadores, educadores, militantes e lideranças do movimento social negro e também por um time de colunistas fixos que pretendemos ver ampliado. Além da rede de correspondentes articulistas e colunistas, queremos ter uma relação parceira e solidária com as entidades do Movimento Negro brasileiro e do exterior, com Empresas, Poder Público e Agências Internacionais de Notícias, enfim, e com todas as instituições e organizações que se dedicam a construção a defesa de uma cultura de paz, por meio do respeito às diferenças, o combate ao racismo e valorização da diversidade racial e étnica. No andar da carruagem pretendemos ir melhorando esse espaço, tornando-o mais ágil, tecnicamente melhor acabado como parte do sonho inovador e ousado de contribuir para dar maior visibilidade ao tema em todas as mídias. Sim, porque o sonho pode parecer demasiado ambicioso. Mas, a equipe da AFROPRESS tem esse "defeito": sonha grande, por acreditar que somos do tamanho do nosso sonho. E é ousada o suficiente para acreditar em um mundo sem Racismo e livre do preconceito e da intolerância.