Brasília – o estudante Rafael Ayan Ferreira, da Universidade de Brasília (UnB), também sofreu ameaças que teriam partido da rede de solidariedade a Marcelo Valle Silveira Mello, processado por racismo pela Justiça do Distrito Federal por difundir mensagens pregando o ódio e a intolerância em comunidades do Orkut.
Mello também estuda na Universidade e foi denunciado pelo Ministério Público do DF, denúncia aceita no último dia 22/09, com interrogatório já marcado para o dia 23 de janeiro do ano que vem. Ele é também acusado de ter atacado à Afropress retirando o site do ar por cerca de 10 dias usando o nick brOk3d – o justiceiro.
Depois de receber ameaças também em scraps de sua página no Orkut, Ferreira registrou queixa no 2º Distrito Policial de Brasília, que fica no final da da Asa Norte. “Registrei denúncia por ameaça de morte. Foi difícil convencer a Polícia de que se tratava de uma situação séria”, contou.
Nas ameaças encaminhadas em vários momentos, o pseudônimo usado é brOk3d, acompanhado do número 14/88, a mesma identificação que aparece nas ameaças feitas a dirigentes da OnG ABC sem Racismo. Ferreira suspeita que as ameaças tenham conexões com grupos de skinheads; “Provavelmente alguma organização criminosa ou mesmo seu registro em algum grupo de skinheads”, afirmou Ferreira.
As denúncias feitas a dirigentes da OnG e aos estudantes da UnB serão encaminhadas ao promotor de Justiça Eder Segura, secretário executivo do Grupo Especial de Atuação e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado de S. Paulo. Segura já pediu ao Gradi, da Secretaria de Segurança Pública, a instauração de inquérito policial para investigar as ameaças e identificar e processar seus autores.

Da Redacao