Campo Grande/MS – Estudantes das Faculdades Campo Grande e Mato Grosso do Sul, convocados pelo Diretório Acadêmico, realizaram neste sábado (07/05) protesto contra a violência sofrida pelo vigilante Márcio Antônio de Souza, nas dependências das Lojas Americanas, de Campo Grande.
Souza, que também é estudante das Faculdades, foi torturado pelo segurança Décio Garcia de Souza, no dia 23 do mês passado, ao ser tomado por suspeito do roubo de ovos de Páscoa, pelos quais, garante haver pago. O caso está sendo investigado em Inquérito presidido pela delegada Daniela Kades, da Polícia Civil.
Portando cartazes e apitos os estudantes gritaram durante o protesto “Sim a Justiça! Não a violência”. Eles prometem realizar nova manifestação no próximo sábado, dia 14 de maio, a partir das 09h, em frente à loja na Rua Dom Aquino.
Covardia
De acordo com o presidente do DCE, Renato Viturino Lopes, 26 anos, a tortura sofrida por Souza, foi um ato covarde. “Ninguém tem o direito de fazer isso. Este é um protesto de repúdio a violência cometida pela loja e queremos respostas dos órgãos responsáveis”, afirmou.
Passados mais de 15 dias, o vigilante continuava sem passar pela cirurgia para a correção das lesões sofridas no nariz, fraturado em três partes. Segundo o irmão Gilson Fernandes, disse à Afropress, a avaliação dos médicos é de que, até a última sexta-feira, dia 06/05, ele não tinha condições de ser operado.
A estudante Daniele Cavalcante, 19 anos, conta que a situação traz revolta e exige uma providência. “Hoje foi com o Márcio, amanhã pode ser com outro conhecido, algum familiar ou até mesmo pessoas que a gente desconhece. Não tem justificativa o que o segurança fez”, afirmou.
Segundo o estudante Carlos Augusto Farias, 22 anos, que também participou da manifestação, o ato foi de repúdio a violência moral e física ocorrida com Márcio. “Não tem justificativa, explicação”, acrescentou.

Da Redacao