Condado de Hampshire/Massachusets/EUA – A ex-ministra Matilde Ribeiro (foto), que está nos EUA fazendo um curso de Inglês, a convite do Instituto de Línguas da Universidade Northampton, disse que está gostando da experiência de passar seis horas diárias aprendendo a Língua. “É bem puxado, eu diria. Tenho feito um estágio bem intenso. Mas acho importante que seja assim”, afirmou, em contato por e-mail com Afropress.
O intercâmbio acadêmico da qual a ex-ministra participa na Universidade de Massasuchets é promovido pelo Departamento de Estudos Latino-Americanos, coordenado pela pesquisadora cubana Sonia Alvarez, que já dirigiu a Fundação Ford no Brasil. Para a permanência nos EUA, Matilde recebeu o convite e tem o apoio da Fundação Ford.
Dia a dia intenso
A ex-ministra deixou o Governo por causa do escândalo dos cartões corporativos, sendo substituída pelo deputado Edson Santos, do PT carioca, e passou a viver discretamente em S. Paulo, prestando serviços de consultoria ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Para o ABC, ela foi convidada por por velhos amigos sindicalistas, aos quais sempre se refere com carinho. “Quando agente está fora do Poder fica conhecendo os verdadeiros amigos”, costuma dizer.
Na véspera da viagem, em setembro, ela conversou com Afropress e, embora evitando falar de episódios de sua passagem pelo Governo, conversou informalmente com o editor, jornalista Dojival Vieira, em um almoço na casa do empresário Michel Haradon, na Granja Viana, em S. Paulo. “Fui demitida pela mídia”, desabafou.
Nos EUA, o dia a dia da ex-ministra passa por uma ida duas tardes por semana até o Centro de Estudos Latino-Americanos, onde participa de aulas sobre estudos sócio-raciais e de gênero. “Agora no mês de novembro darei quatro palestras para alunos em diferentes cursos da Universidade”, contou.
Ela também pretende viajar para outros Estados e já está agendada para participar de eventos na Universidade de Philadelphia e de Kansas. Em dezembro, antes do retorno ao Brasil, estará em Washington e Nova York para contatos institucionais com o apoio da Embaixada brasileira nos EUA.

Da Redacao