S. Paulo – Sem explicar porque teria violado dispositivos do Código de Ética e Disciplina da OAB – que proíbe advogados de atuarem para os dois lados num mesmo processo, no caso do livro “Caçadas de Pedrinho”, de Monteiro Lobato –, o ex-Ouvidor da SEPPIR, Humberto Adami escolheu o PT de S. Paulo como alvo e tentou desqualificar o secretário de Combate ao Racismo da sigla e Coordenador do SOS Racismo da Assembléia Legislativa, Cláudio Silva, Claudinho, autor da denúncia.

Usando a terceira pessoa e em texto ambíguo (“Adami denuncia ameaça do PT SP ao ministro Fux”), o ex-Ouvidor partiu prá cima do ativista ao se referir a ele como “um certo cidadão alcunhado “Claudinho”, supostamente falando em nome do PT”. Tratando a denúncia como ameaça a si próprio, anuncia ter comunicado o fato ao STF e proclama, como se ainda exercesse algum cargo ou funções de poder na Esplanada, que “a tentativa frustrada de ameaça será objeto de comunicação à Presidente da República, Dilma Rousseff – contra quem move a ação no STF – e ao deputado Rui Falcão, presidente do Partido em S. Paulo -, a quem acusa de ameaçá-lo.

Ação contra Dilma

O ex-Ouvidor termina por ameaçar de processo o denunciante, estranhamente já antecipando a decisão do Conselho de Ética da OAB. “Quanto ao possível representante, cidadão "Claudinho", esperamos que faça a representação em nome próprio, também, para que futura reparação de dano moral, não recaia, apenas, na agremiação partidária, quando do seu arquivamento sumário”.

Adami, que ocupou o cargo de confiança de Ouvidor da SEPPIR (DAS-4) até janeiro do ano passado, quando foi exonerado, entrou com ação – o Mandado de Segurança 30.952 – contra Dilma Rousseff e o ministro da Educação Fernando Haddad (foto), em novembro passado, pelo fato do ministro ter homologado o Parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE), que autoriza a compra do livro de Lobato com dinheiro público para o Programa Nacional Biblioteca na Escola, do MEC. O livro contém estereótipos racistas.

Afropress encaminhou pedido de entrevista ao ex-Ouvidor, porém, o mesmo não retornou. Desde agosto do ano passado, ele move campanha de ataques contra o veículo nas redes sociais. Na véspera, o coordenador do SOS Racismo e também membro do Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial (CNPIR), anunciara, em artigo sob o título “Oportunismo suicida”, que entrará com representação na OAB contra o advogado – a quem acusa de buscar holofotes tentando provocar desgaste público e político à Presidente e ao candidato do Partido à Prefeitura de S. Paulo, Fernando Haddad – por violação de artigos do Código de Ética e Disciplina e desrespeito a Ementa 026/2011, do Conselho Federal da Ordem.

Reação do Partido

No final da tarde desta sexta-feira (13/01), o secretário de Comunicação do PT S. Paulo, Aparecido Luiz Silva, divulgou Nota em chama a reação do ex-Ouvidor de “confusa” e reage a tentativa de desqualificação de Cláudio Silva, Claudinho e sai em defesa do militante negro petista. “O coordenador de Combate ao Racismo do Diretório Estadual do PT São Paulo, Cláudio Silva é, não só um militante engajado e comprometido com as propostas e projetos do Partido dos Trabalhadores, mas também um feroz defensor dos direitos do povo negro e combatente de toda forma de discriminação”, afirma a Nota.

A Nota esclarece ainda que o artigo “Oportunismo suicida”, postado em Afropress e também no site do Partido em S. Paulo – o Linha Direta – “reflete a opinião de Silva e não a posição do PT-SP, principalmente no que se refere ao remédio jurídico a ser proposto contra o sr. Adami”. “Destaque-se que o próprio advogado, autor da contra-resposta, (por sinal confusa) afirma desconhecer se Silva fala ou não em nome do Partido quando usa o termo “supostamente” – do dicionário, ato de conjecturar ou levantar hipóteses – como pode-se ler no trecho abaixo transcrito”, acrescenta a Nota.

O Diretório do PT/SP, na Nota, por fim esclarece que é um direito assegurado pela Constituição Brasileira “aquele que se sinta lesado física ou intelectualmente, mover uma ação judicial”, em resposta a ameaça de processo feita pelo ex-Ouvidor e anuncia que a Direção Estadual do PT se reunirá no dia 13 de fevereiro, “quando o tema poderá entrar em sua pauta de debates”.

Da Redacao