Nova York – A eleição de Barack Obama, à Presidência dos EUA, serve de inspiração a todos os negros brasileiros e pode ajudar os afro-brasileiros a conquistar seus direitos. A afirmação foi feita por David Dinkins (foto), o primeiro negro a se tornar prefeito de Nova York, numa entrevista exclusiva ao correspondente de Afropress, Edson Cadette. Foi a primeira vez, que ele concedeu entrevista a um veículo de comunicação do Brasil.
“Eu acho que pode ajudar bastante, não somente no Brasil, mas ao redor do mundo. Acredito que os EUA são vistos hoje de forma diferente, agora que Barack Obama é presidente. É triste dizer, mas meus amigos republicanos, os Bush (George Bush pai e George W. Bush, filho), não nos mostraram ao mundo de uma maneira correta. Barack Obama não é somente líder dos EUA, mas de muitas maneiras, líder do mundo livre. Sua eleição, sem dúvida, serve de inspiração a todos os negros brasileiros. “Yes we can”. (Sim podemos)”, disse Dinkins, ao ser perguntado sobre a influência para todos os negros do mundo, a chegada de Obama à Casa Branca.
O ex-prefeito novaiorquino, 82 anos, completados na semana passada, ficou no cargo três anos – de 1.990 a 1.993 – e, durante o seu mandato, tomou as primeiras iniciativas para controlar a violência urbana, que depois se tornariam conhecidas no mundo inteiro sob o nome de Tolerância Zero, tornadas instrumento de marketing pelo seu sucessor Rudolph Giuliani.
Legado
Diplomado em Matemática pela Universidade Howard, e em Direito pela Faculdade de Direito do Brooklin, Dinkins foi também o último democrata a ocupar a Prefeitura, e hoje dá aulas no Curso de Administração Pública na Universidade Colúmbia, no coração do Harlem – o bairro negro de Nova York.
Foi no seu escritório, decorado com Diplomas e prêmios recebidos pelos serviços prestados à cidade, que Dinkins recebeu Edson Cadette, há três anos, Colunista e correspondente de Afropress, em Nova York.
Ele lembrou o seu legado como prefeito, disse do orgulho de ter recebido Nelson Mandela na sua primeira visita internacional após sair da prisão, e também das expectativas em relação ao presidente Barack Obama.
Veja, na íntegra, a entrevista do ex-prefeito David Dinkins à Afropress.
Afropress – O senhor foi o prefeito da cidade de Nova York entre 1990 e 1993. Durante esse período, quais foram os principais desafios em lidar com os problemas de pobreza que atingiam as populações carentes nas áreas urbanas da cidade, e também com a epidemia de “crack”, que atingia desproporcionalmente a comunidade afro-americana?
David Dinkins – Bem, a criminalidade era impressionante na cidade de Nova York quando assumi a prefeitura. Porém, não começou, claro, no dia 1º de Janeiro de 1990. Havia crime um dia antes, em 31 de Dezembro de 1989, quando Ed Koch (prefeito de Nova York entre 1978 e 1989) era o prefeito. Percebemos, entre outras coisas, que o que teríamos que fazer era combatê-la.
Um dos meios para fazer isto era contratar mais policiais. Para conseguirmos isso precisaríamos ter mais dinheiro. Como a cidade não tem competência fiscal própria para cobrar impostos, era preciso autorização da Legislatura Estadual, uma Resolução especial, que precisa ser aprovada pelo Conselho Municipal.
Nós fizemos isto. Primeiramente, era necessário conseguir apoio entre os donos dos negócios (Business Community), que então pressionariam o Conselho Municipal a ver isto como uma prioridade. A maneira encontrada para conseguirmos mais dinheiro foi conseguir permissão do governador para cobrarmos uma taxa extra no imposto de renda de todos os nova-iorquinos.
Com o dinheiro, foi possível contratar policiais para áreas especificas. O programa era chamado “Rua Segura, Cidade Segura”, e tinha como lema “Policiais e Crianças”. Foi um grande sucesso. Você usa este tipo de programa não só para combater o “crack”, mas todo tipo de crime.
Então, em 1991, o índice de criminalidade começou a baixar, de acordo com seis ou sete indicadores do FBI. E somente nos últimos anos, mais especificamente em 2005, 206, 2007 e atualmente, é que o público, em geral, e a mídia, em particular, começaram a reconhecer isto.
A pessoa que era meu Comissário de Polícia era o senhor Ray Kelly. Ou melhor, Coronel Ray Kelly, como eu costumava chamá-lo, porque ele foi Coronel na Tropa de Choque. Eu fui um soldado. Eu nunca o chamei de Comissário, eu sempre o chamei de Coronel.
Afropress – Qual foi a sua maior realização e qual foi seu maior fracasso?
David Dinkins – Meu maior fracasso foi a maneira como o Departamento de Polícia lidou com a situação em Crown Heights (subdistrito do Brooklin com grande índice de caribenhos e judeus ortodoxos); mais cedo e melhor do que eles fizeram.
Havia informações de distúrbios em Crown Heights após a morte do menino Cavin Cato, morto por um carro dirigido pelo motorista da caravana do Grande Rabino. E um jovem estudante judeu, Yankel Rosenbaum, acabou sendo esfaqueado e depois morreu.
Muitas informações davam conta de distúrbios combinados com a morte do jovem Rosenbaum. Não era verdade. Ele foi esfaqueado nas primeiras horas do incidente. Na verdade, fui visitá-lo no Hospital e fui informado pelos médicos de que ficaria bom. Mas eles não observaram um outro corte, aí incluída, a falha também dos paramédicos que o levaram ao Hospital. Francamente, sua morte foi mais negligência do Hospital. Eu peço desculpas porque o Departamento de Polícia não lidou melhor com a situação.
Eu fui acusado e outros foram acusados por não deixarmos o Departamento de Polícia agir, quando jovens afro-americanos começaram a atacar os judeus. Não é verdade, não foi o que ocorreu.
Este foi um dos meus grandes fracassos. E também a disputa na mercearia coreana “Red Apple” (Maçã Vermelha), pela qual nós fomos criticados por não acabarmos com a disputa antes. Estes foram, acredito eu, os principais fracassos.
Infelizmente, poucas pessoas se lembram do meu apoio para a “Civilian Complain Review Board” (Conselho de Revisão de Reclamações Civis), criada para supervisionar o comportamento dos policiais na cidade.
Por essa razão a Polícia de Nova York provocou arruaças na Prefeitura. Alguns dos policiais estavam bebendo. Isto aconteceu em 1993. E o Rudolph Giuliani, que havia perdido para mim em 1989, estava a alguns quarteirões da Prefeitura incentivando os policiais a fazerem mais arruaças.
Isto foi uma coisa triste, que nunca deveria ter acontecido. Mas aconteceu. Porém, pouco se fala que a Prefeitura gastou US$ 47 milhões, numa época em que tínhamos pouco dinheiro para manter todas as bibliotecas da cidade abertas seis dias na semana. Uma coisa que não acontecia há, pelo menos, 25 anos.
O fato também é que quando houve distúrbios raciais nas grandes cidades por causa do julgamento do caso Rodney King, na Califórnia, Nova York se manteve relativamente calma. Aqui pendurado na parede (aponta), há um certificado que ganhei do senhor Phillip Hordan, que depois se tornou embaixador norte-americano na França. Na época, ele estava no comando de um grupo chamado “Municipal Assistant Corporation” (Associação de Assistência Municipal), e me entregou este Certificado por eu manter a paz na cidade.
Tínhamos também um grupo de mais ou menos duas mil pessoas, todas voluntárias. Havia somente uma pessoa ganhando salário. O nome do grupo era “Increase the Peace Corps” (Aumente o Grupo da Paz, em tradução livre). E eles ajudaram a manter a paz na cidade durante estes tempos difíceis. Estas estão entre as coisas que eu realizei. E não posso deixar de pensar nas coisas que realizamos, sem deixar de lembrar no grande Nelson Mandela.
Ele veio primeiro à cidade de Nova York quando saiu da prisão. E como foi recebido por mim e minha esposa e ficou na “Gracie Mansion” (Casa Oficial do Prefeito durante o mandato), e foi saudado por todos, inclusive, com uma Parada em sua homenagem.
Ele também fez um discurso no Estádio dos “Yankees” (o time de beisebol mais famoso da cidade). Foi incrível e extraordinário. Mandela é um grande homem.
Afropress – O senhor diria que os incidentes que mencionou no início da sua resposta, custaram sua reeleição?
David Dinkins – Não. É claro que estes eventos diminuíram minhas chances de ganhar. Mas eu acredito que uma única coisa custou minha reeleição. O fato de o governador, na época, o republicano George Pataki e o Corpo Legislativo Estadual terem colocado na cédula oficial da eleição, um referendo a respeito de “Staten Island” (um dos cinco bairros de Nova York) para se separar da cidade.
O que era ilegal e jamais poderia ocorrer. Imagine você o seguinte: você tem uma hipoteca na sua casa, o banco tem a hipoteca, e aí você decide vender a casa para outra pessoa sem a autorização do banco. Isto você não pode fazer. A dívida da cidade é garantida por toda a cidade, aí incluído o bairro de “Staten Island”. Por causa disto, muita gente compareceu às urnas para votar no referendo, aproveitando para votar contra mim, porque estavam contra qualquer tipo de autoridade.
Por isto nós chegamos com 40 mil votos atrás do Rudolph Giuliani. O mesmo Giuliani que eu derrotei em 1989. Contudo, nas primárias democratas, em 1989, eu derrotei o então prefeito Ed Koch, Dick Ravech, que dirigia o órgão MTA (Transporte Metropolitano da Cidade) e o Jay Golan, que era o contador da cidade.
Muitos diziam que eu não conseguiria mais de 40% dos votos. Por isto seria necessário um segundo turno. Consegui mais de 50%. Na eleição geral contra Rudolph Giuliani, mais de 1,9 milhão de pessoas votaram. Tivemos uma margem entre 150/160 mil votos. A mesma margem de votos em 1993 quando perdemos. Acredito que perdemos a reeleição mais por causa de “Staten Island” do que pelo boicote a Mercearia Coreana ou dos distúrbios de “Crown Heights”.
Afropress – Muita gente diz que Nova York ficou mais habitável e atraiu mais negócios e turistas durante a Administração do ex prefeito Rudolph Giuliani. Entretanto, políticas como a do Tolerância Zero e outras foram adotadas durante sua Administração. O público, em geral, nunca reconheceu isso. Depois de todos estes anos o reconhecimento por muitos de que a revitalização, que começou na sua gestão e segue até hoje, dão ao senhor um gostinho de vitoria?
David Dinkins – Sim, me sinto feliz por este reconhecimento mesmo neste meu crepúsculo. Há uma realização e reconhecimento por muitos das muitas coisas que conseguimos realizar.
Afropress – Para alguém que foi testemunha de todos os problemas raciais do país, especialmente durante os anos 60 e 70, o senhor acredita que os EUA melhoraram porque elegeram seu primeiro presidente negro?
David Dinkins – Sem dúvida alguma. Eu nasci em 1927. Sou filho da Depressão norte-americana. Não acreditava que veria isto na minha vida. Estive na Tropa de Choque da Marinha em 1945, numa época em que a Marinha, o Exército e a Força Aérea eram segregados. Os negros ainda eram linchados no final dos anos 30. Havia leis que proibiam o casamento interracial. Havia todos os tipos de terríveis situações, que claramente não eram justas e tampouco constitucionais, mas eram leis não só no Sul do país, mas também em outras áreas.
Até que a Suprema Corte aboliu muitas destas leis. Brown x o Departamento de Educação só veio a acontecer em 1954. (A Corte Suprema norte-americana considerou inconstitucional a segregação racial nas escolas públicas).
Afropress – Como a eleição de Barack Obama vai alterar o relacionamento entre negros e brancos?
David Dinkins – Ajuda bastante. Tenho afirmado há muito tempo que quando uma pessoa negra alcança sucesso em qualquer área, seja como o jogador de beisebol Jackie Robinson (primeiro jogador negro a jogar na Liga Profissional dos EUA) ou Tiger Woods jogando Golf, isto sugere para os outros que estas pessoas podem ler, escrever, contar e pensar como qualquer outra pessoa.
Isto ajuda as pessoas em diferentes áreas. Se eu fui eleito prefeito de Nova York, o primeiro prefeito negro, isto ajuda as pessoas que estão na Medicina, Arquitetura e Engenharia. Isto sugere que podemos conseguir também. A eleição de Barack Obama, como presidente dos EUA nos ajudou bastante. Na verdade muitos afro-americanos que eu conheço me disseram outro dia que eles não sabiam que tinham tantos amigos brancos assim. Aqui temos pessoas que fingem serem seus amigos, mas, na verdade, em outras circunstancias jamais falariam com você.
Afropress – Durante a campanha para a Presidência, muitos negros diziam que Obama não era suficientemente negro ou afro-americano. Como o senhor viu esse tipo de afirmação?
David Dinkins – Isto é besteira. As pessoas devem lembrar que sempre haverá detratores a qualquer candidatura, não importa o quanto preparado o candidato ou a candidata estejam. Há uma história que costumo lembrar que, quando Jesse Jackson disputou a Presidência em 84 e, novamente, em 88 (nesta última, aliás, saindo-se muito bem), dizia-se que se Jesse estivesse num barco, e o barco começasse a afundar, e ele saísse e começasse a andar na água, as manchetes dos jornais diriam o seguinte: Jesse Jackson não sabe nadar! Assim é que são as coisas.
Afropress – O senhor acredita que, sendo prefeito de Nova York, de alguma maneira ajudou na eleição de Obama?
David Dinkins – Deixe-me responder desta maneira. Nós temos uma expressão que diz o seguinte: todo mundo usa o ombro de um amigo para poder levantar-se. Nenhum de nós consegue chegar a lugar algum sozinho. Todo mundo precisa de ajuda. Com isto o que queremos dizer é: eu, David Dinkins, usei o ombro do ativista Malcom X, do pastor Martin Luther King Jr., das abolicionistas Harriet Tubmam e Soujorne Truth, da ativista Rosa Parks e do Percy Ellen Sutton, este último, o primeiro negro a disputar a Prefeitura de Nova York, em 1977.
Ele fez isto com tanta classe e distinção que ninguém ousou rir de mim quando tentei em 1989. Dessa maneira, talvez eu tenha ajudado um pouco Obama. Mas, também o ajudou Andrew Young, Dick Hachett e muitos outros que conseguiram algo como políticos.
E também aqueles outros que não estavam na política, como os Jackie Robinsons do mundo, as Althea Gibsons, os Arthur Ashes, todas estas pessoas deram seus ombros para o Barack se levantar.
Afropress – O senhor conhece alguma coisa sobre a História do Brasil?
David Dinkins – Não. Não, muito. Na verdade, só um pouquinho.
Afropress – O senhor já esteve no Brasil?
David Dinkins – Não. Gostaria muito de visitar o Brasil algum dia. Sei que metade da população brasileira se parece comigo.
Afropress – Em que aspectos a luta das minorias nos EUA pode influenciar os afro-brasileiros a conseguir os direitos civis, dos quais milhões estão privados no Brasil?
David Dinkins – Eu acho que pode ajudar bastante. Não somente no Brasil, mas ao redor do mundo. Acredito que os EUA são vistos diferente agora que Barack Obama é presidente. É triste dizer isto, mas meus amigos republicanos, os Bush (George Bush pai e George W. Bush, filho) não nos mostraram ao mundo de uma maneira correta.
Barack Obama não é somente líder dos EUA, mas em muitas maneiras, líder do mundo livre. Sua eleição, sem dúvida, serve de inspiração a todos os negros brasileiros. “Yes we can”.(Sim podemos).
Afropress – Muito Obrigado por esta entrevista.
David Dinkins – De nada, meu amigo.

Da Redacao