S. Paulo – A Fundação do Bem Estar do Menor (Febem), autarquia vinculada à Secretaria de Justiça do Estado de S. Paulo, terá um Comitê Institucional encarregado de estudar e discutir questões relativas à diversidade étnico-racial e formular propostas de ações afirmativas nas ações sócio-educativas desenvolvidas na instituição.
A Febem tem sido palco freqüente de rebeliões e é criticada como instituição por não garantir a reeducação e reinserção dos adolescentes infratores à sociedade.
O Comitê está previsto em portaria publicada no Diário Oficial do Estado da última sexta-feira (03/11) e será composto por servidores designados pela presidência da Fundação. “Entendemos que o desenvolvimento de ações e intervenções nas áreas de atendimento da fundação, sob a ótica da variável cor, com grupos de diferentes etnias, deve resultar em ações afirmativas que visem à promoção de oportunidades aos adolescentes internados”, disse a presidente da Fundação, Berenice Giannella.
Segundo pesquisa realizada entre os internos, 46% se autodeclararam pardos, 21% negros e 31% brancos.
A Secretária da Justiça, Eunice Prudente, elogiou a decisão da direção da Febem e considerou a atitude “corajosa”.

Da Redacao