Porto Alegre – O Conselho Universitário (CONSUN) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) adiou para o dia 29 de junho, a votação do projeto de Cotas Raciais e Sociais, que estava prevista para acontecer nesta sexta-feira (15/06), quando deveria ser votada a proposta da Comissão Especial de Implementação de Ações Afirmativas. Os membros do Conselho não chegaram a um acordo para votar a matéria e adiaram a decisão.
Neste período será feito uma analise profunda do projeto pelos integrantes da comunidade universitária que poderão sugerir alterações na proposta inicial. Representantes do Grupo de Trabalho (GT de Cotas) e estudantes farão reuniões para elaborar estratégias de aprovação da medida. Segundo as lideranças do movimento pela adoção de cotas na Universidade este “é um momento importante na tomada de consciência da realidade educacional no país”.
Uma parte dos estudantes acompanhou a sessão, enquanto outros permaneceram concentrados do lado de fora da sala gritando palavras de ordem como “é hora do negro entrar, hora do índio entrar, não queremos favor, é direito à educação”, ao som dos tambores e rimas feitas na hora. O segundo andar do prédio da Reitoria foi o palco de manifestações, onde também se concentrou um grupo de estudantes contrários à política de cotas. Durante todo o tempo, representantes do GT das Cotas passavam informações de como estava o processo de votação para os que aguardavam o resultado.
No final houve tumulto. Ao tomarem conhecimento de que a votação seria adiada, estudantes indignados tentaram invadir a Sala dos Conselhos. As portas foram trancadas e os integrantes da CONSUN ficaram “presos” por quase uma hora. Ao sair tiveram que passar por um corredor polonês feito por estudantes que gritavam, “contra as cotas raciais, só racistas”.
A proposta de Cotas Raciais e Sociais é ampliar o número de estudantes negros e o egressos de escolas públicas no ensino superior. Entidades do Movimento Negro gaúcho já começaram a se mobilizar para acompanhar a votação.

Da Redacao