S. Paulo – Entre os mais de 100 empreendedores que exporão seus trabalhos neste domingo (07/12), na Feira Cultural Preta, no Anhembi, estão duas artistas que se apresentam pela primeira vez: a artista plástica Beatriz Dias (foto abaixo), de Araçatuba, interior de S. Paulo, e dona Maria Aparecida Batista, a dona Cida, da capital.

Beatriz (foto ao lado) é de uma família pobre e está se afirmando como artista plástica no interior do Estado. Ela diz que utiliza diversos tipos de materiais nos trabalhos: tintas, lápis, papéis, telas, muros, quadros e tecidos.

Oportunidade

“Trabalho também arte do grafite, pinturas residenciais. E agora venho tendo oportunidades de expor meus trabalhos”, afirma, acrescentando que, na primeira exposição que fez na Faculdade sentiu a ausência de negros nas artes. Por isso escolheu o 20 de Novembro – Dia Nacional da Consciência Negra – para abrir a exposição.

Trabalho de raça

Dona Cida Batista está animada com a chance de apresentar seus trabalhos na Feira Preta: “Posso levar as pessoas por meio da minha arte, fora o fato de enaltecer a minha raça. Se me dedicar e tiver um bom público consigo viver da minha arte. É o que pretendo com esta exposição”, afirma.

Hoje seus trabalhos estão atravessando fronteiras e já teve encomendas de Estados como Rio de Janeiro, Espírito Santo e Santa Catarina.

As encomendas são feitas via Sedex. Os interessados depositam 50% das peças – que custam em média de R$ 50,00 a R$ 300,00 – e o restante na entrega das peças. As vendas podem ser feitas mediante pagamento em cartão de crédito e em até três parcelas. As peças variadas – Tesouros da Cida -, ocupará o stand 15, da Feira, das 12h às 22h.

 

Da Redação