S. Paulo – Promover a 2ª Jornada de mobilização e luta pela aprovação do Estatuto da Igualdade Racial, PL 73/99 (PL Cotas) e PEC 02/06, que cria o Fundo de Promoção da Igualdade, com o objetivo de coletar mais 100 mil assinaturas até o dia 20 de Novembro – Dia da Consciência Negra – para pressionar o Congresso a votar. Esta foi a decisão das lideranças do Fórum SP da Igualdade Racial reunidas nesta terça-feira à noite na sede da Educafro para fazer um balanço da primeira fase de mobilização e da viagem à Brasília na semana passada.
O Fórum é integrado pela Rede Educafro, Movimento Brasil Afirmativo, Comissão do Negro e Assuntos Anti-discriminatórios da OAB/SP, Instituto do Negro Padre Batista e Sindicato dos Comerciários de São Paulo. Outras 20 entidades de várias regiões de São Paulo e do interior, também participam da mobilização.
Na semana passada uma caravana de 50 lideranças, inclusive de cidades do interior como São Carlos e Botucatu, e da região metropolitana, como Itapecerica e Suzano, esteve em Brasília para entregar 100 mil assinaturas em favor do Estatuto aos presidentes da Câmara, e do Senado.
Na reunião também ficou decidido que o Fórum SP está aberto ao diálogo com o Presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP). Chinaglia destratou manifestantes em seu gabinete, inclusive mandando-os calar a boca, e não recebeu os pacotes com as assinaturas. Depois admitiu ter cometido um erro e mandou assessores procurar as lideranças para conversar.
As lideranças do Fórum, porém, foram recebidas pela presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Ellen Gracie (foto), pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e no Palácio do Planalto, além de participarem de uma audiência especial convocada pelo senador Paulo Paim (PT-RS) na Comissão de Direitos Humanos do Senado.
Segundo Frei Leandro Antonio da Silva, coordenador do Fórum, a conversa com Chinaglia pretende reabrir os canais de entendimento visando a pautação do projeto do Estatuto, que está parado na Câmara desde o ano passado. “Nossa Causa é justa e nossa mobilização vai continuar”, afirmou.
Para a marcação de uma agenda e reabertura do diálogo com o presidente da Câmara, a coordenação do Fórum SP pediu a participação do senador Paim, autor do projeto do Estatuto, e dos deputados Carlos Santana (PT-RJ) e Janete Pietá (PT-SP), respectivamente, presidente da Frente Parlamentar da Igualdade Racial e coordenadora do Núcleo de Parlamentares Negros do PT (NUPAN).
Em conversa com o jornalista Dojival Vieira, da coordenação do Movimento Brasil Afirmativo e do Fórum, Paim e Pietá responderam afirmativamente, e novos contatos deverão ser feitos nos próximos dias. Santana também foi contatado e ficou de responder.
Jornada
A 2ª Jornada já começou e deverá ser lançada formalmente nos próximos 15 dias. A proposta é sair às ruas coletando mais assinaturas e organizar nova caravana à Brasília depois de novembro, se até lá o Estatuto e os demais projetos não forem votados.
Uma das preocupações do movimento é melhorar a organização da coleta de assinaturas, evitando a dispersão. Por isso, a coordenação do Fórum, está orientando que quem estiver interessado em participar da campanha deve procurar uma entidades e pedir folhas para a coleta de assinaturas. Também enfatizam importância da campanha se estender a todas as cidades de São Paulo e a outros Estados do país.
A proposta da coordenação do Fórum nesta 2ª Jornada é crescer e ampliar a mobilização e, neste sentido, serão procuradas formalmente as direções das demais centrais sindicais (por enquanto apenas a União Geral dos Trabalhadores, presidida por Ricardo Patah assumiu) e todos os Partidos políticos, além de personalidades negras e anti-racistas, que defendem a aprovação do Estatuto e políticas públicas em favor da igualdade racial no país.

Da Redacao