Florianópolis – O governador Luiz Henrique da Silveira, de Santa Catarina, assumiu: defende a eugenia (higiene racial), ideologia conhecida desde 1.907, que tem como pai o inglês Francis Dalton, primo de Darwin, que advogava a pureza racial, largamente utilizada por Hitler para afirmar a superioridade da raça ariana e eliminar as raças consideradas inferiores como judeus, negros, ciganos, entre outras.
A defesa da eugenia já figurou na Constituição Brasileira de 1.934, sob o Governo Getúlio Vargas, que precedeu o Estado Novo, regime inspirado no Fascismo de Mussolini que seria instalado, no Brasil, a partir de 1.937. Com a defesa dessa ideologia, Luiz Henrique torna-se o primeiro governador de Estado brasileiro a defender idéias que, na prática, são justificadoras do racismo.
O artigo em que defende as práticas eugênicas e racistas tem como título “O DNA Espartano”, e foi publicado esta semana no jornal diário catarinense “A Notícia”, onde o governador tem uma coluna semanal.
O esdrúxulo argumento utilizado é de que esta é a melhor forma de as pessoas evitarem que seus filhos “nasçam feios, deformados, deficientes ou idiotas” Além do melhoramento genético, o governador catarinense defende o método da “clonagem de gênios e pessoas de beleza excepcional”.
No artigo Luiz Henrique – que não é, como se sabe nenhum modelo apolíneo de beleza – cita Esparta e as experiências que se faziam e que depois sob, Hitler seriam aperfeiçoadas.
Procurado pela Afropress, o governador – que é do PMDB e foi Secretário da Ciência e Tecnologia no Governo Sarney – não foi encontrado, porém, seu assessor de Imprensa, José Augusto Gayoso Neto saiu em defesa do chefe. “Ele foi infeliz, mas é claro que não é nenhum Hitler. As pessoas não conseguem encontrar um defeito no governo e por isso ficam apontando esse artigo”, afirmou.
Conheça uma breve história da Eugenia
1.833 – Nasce Sir Francis Galton, primo de Charles Darwin, criador da palavra “eugenia”. A idéia é lançada por volta de 1.869, como forma de controlar a reprodução na população, de forma a beneficiar a multiplicação dos mais talentosos e inteligentes.
1.904 – A “Revista de Biologia Social e Racial” é fundada na Alemanha
1.907 – O Estado norte-americano de Indiana aprova a primeira lei de esterilização obrigatória adotada no mundo
1.911 – As revistas científicas de eugenia já estão disseminadas por toda a Europa
1.933 – Adolf Hitler assume o poder na Alemanha. No mesmo ano, o país cria as cortes eugênicas e a Lei de Saúde Hereditária. Em 12 meses, cerca de 56 mil pessoas são esterilizadas.
1.934 – A Constituição Brasileira, refletindo as simpatias do Estado getulista com o Nazismo defende textualmente a Eugenia.
1.939 – A Alemanha inicia o programa T-4. Crianças deficientes físicas ou mentais são envenenadas ou deixadas para morrer de fome.
1.945 – Com a derrota da Alemanha na 2ª Guerra, o mundo toma conhecimento dos detalhes de seus campos de extermínio de judeus e de suas políticas eugênicas contra negros e deficientes.
1.992 – Levantamento realizado nos EUA identifica que 70% das clínicas de “paternidade planejada” no país estão em bairros predominantemente negros e hispânicos.
2.005 – Luiz Henrique, governador do Estado de Santa Catarina, torna-se o primeiro Governo de um Estado brasileiro a defender uma ideologia que advoga a pureza racial e instrumentaliza o racismo.

Da Redacao