Lisboa/Portugal – O novo governo português (XXI) liderado pelo socialista António Costa conta no seu elenco uma ministra com grande significado étnico-político. Trata-se de Francisca Van Dúnem (foto), indicada como a nova titular da pasta da Justiça, uma das mais importantes. 

Negra, originária de ilustres famílias angolanas como os Van-Dúnen e os Vieira Dias, ela nasceu em Luanda, capital de Angola, em 1955, e chegou a Portugal na década de 1970 para cursar direito na Universidade de Lisboa. Era a atual procuradora-geral-adjunta e estava no comando da procuradoria-geral distrital de Lisboa.

Segundo o jornal Expresso, ''Francisca Van Dúnem é um nome de topo entre os magistrados portugueses, conhecida pelo seu espirito reservado''.  Fez carreira no Ministério Público português para onde entrou em 1979 e estava no comando da distrital de Lisboa desde 2007.
 
O próprio António Costa também faz história em Portugal. De origem paterna indiana (Goa) ele se torna na primeira pessoa originária de uma minoria étnica a chefiar um governo luso, cargo para o qual foi hoje (24) indigitado pelo presidente da República, Cavaco Silva, quase dois meses depois das eleições legislativas e após a queda do governo coalizão de direita formada pelo PSD/CDS que governou Portugal nos últimos quatro anos. 

 
Advogado e ex-presidente da prefeitura de Lisboa, Costa vai dirigir o governo minoritário do Partido Socialista (PS) que, para além dos socialistas, conta com apoio parlamentar maioritário que inclui os esquerdistas do Partido Comunista, Bloco de Esquerda e os Verdes.

 

 

Da Redacao