S. Paulo – O Grupo de Ação Afirmativa Afrodescendente (GAAA) fará neste sábado (30/08), na sede do Cursinho 20 de Novembro (Av. Tiradentes, 848 – Bom Retiro), próximo ao Metrô Tiradentes, em S. Paulo, o seu I Encontro Estadual, com palestras e debates sobre cotas e ações afirmativas e o momento político vivido pela população negra no Brasil.

O Encontro tem início marcado para as 14h e contará com a presença de Gilberto Manoel Soares, um dos fundadores e seu coordenador executivo, de Alessandra Reis (foto), coordenadora em S. Paulo, de Douglas Belchior, conselheiro geral da Uneafro, e de Mônica Oliveira, diretora de Programas da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR). O editor de Afropress, jornalista Dojival Vieira, foi convidado para falar sobre cotas e ações afirmativas.

O GAAA, que tem fortes raízes em Porto Alegre e Pelotas (RS) surgiu em 2009 com o objetivo de construir uma ampla rede de programas destinados a superar os efeitos da histórica discriminação étnica no Brasil e, de promover oportunidades iguais para grupos sociais discriminados. O Grupo afirma seguir a “filosofia quilombista” que tem como objetivo instituir nacionalmente a “Caminhada da Negritude” em todas as cidades brasileiras, a partir de 14 de maio de 2.015.

“Nós negros de todo o Brasil sabemos e sentimos diariamente na pele, que o dia 14 de maio de 1.888 é, sem dúvida nenhuma, o propulsor do preconceito institucional existente no Brasil, pois nosso povo foi abandonado a própria sorte, convivendo diariamente com demonstrações de preconceito e racismo, pois pelo fato de serem negros eram proibidos de estudar, de praticar sua religiosidade, sua cultura, e até mesmo jogar capoeira e sua prática era coibida e considerada ilegal e criminosa”, afirmam seus organizadores.

 

Segundo Gilberto Manoel Soares, coordenador executivo do Grupo, o objetivo do I Encontro é a organização entre os articuladores de uma rede interpartidária no Estado “priorizando a causa negra, discutindo identificando nossas demandas comuns, para daí então podermos nos identificar como movimento negro”.

Novas lideranças

Ele enfatiza a importância da formação de novas lideranças que não sejam cooptadas pelos partidos políticos. “Para isso nossa rede está se expandindo com vários articuladores e coordenadores. Me criei ouvindo e fazendo parte de associações buscando aprender o que os representantes de organizações tinham para nos ensinar. Mas não consegui ver até aqui um movimento e sim uma imensa gama de movimentos do “eu sou, eu faço”. Claro que isso não é a totalidade. Assim ficou fácil para a política nos usar e nos tornar invisíveis. Enquanto nós não esquecermos nossas diferenças não teremos espaço no cenário político nacional. Isso é fácil de observar quando não conseguimos ter uma representatividade negra nas Câmaras e outros espaços de poder e mesmo aquela que chega não tem uma base de sustentação”, enfatiza.

Gilberto afirma que a posição do Grupo de Ação Afirmativa Afrodescendente quanto ao cenário político é “de inverter a situação”. “Fazer a política desempenhar seu papel. Hoje vemos os líderes partidários dizerem qual é o caminho que devemos tomar. Mas eles esquecem que este não é a função deles, e sim de ouvir o povo e darem voz ao mesmo. Confundem cargos com encargos. Por isso para nós formação de lideranças imbuídas do conceito de nossa ancestralidade é muito importante para mudarmos esta situação. Não somos minoria, mas nos tratam como tal. Estamos lançando a proposta de uma Caminhada da Negritude no dia 14 de maio de 2.015 para enfatizarmos o descaso com a nossa etnia. O Dia do Te vira Negão, e te vira negona”, sublinha.

Quanto à presença de pessoas de vários partidos na articulação, segundo o coordenador executivo do Grupo, que tem coordenadores em cidades como São Francisco do Conde, na Bahia, Porto Alegre e Pelotas, esse não é um problema. “Pensamos que o direito de escolha vai de cada um escolher seu melhor caminho. O principal que a política trabalhe pela causa e não o contrário. É para isso que fazemos o Encontro para podermos ter uma noção e nos organizar num planejamento futuro”, conclui.

Confira a programação do I Encontro Estadual do GAAA em S. Paulo

•        14:00 ás 14:30 –  credenciamento

•        14:30 – composição da mesa

•        14:40 – Palestrante – Gilberto Soares Co-fundador do GAAA

•        15:10 – Palestrante –  Dojival Vieira – Fundador da AfroPress

•        15:40 – Palestrante – Mônica Oliveira – Diretora de Programas da SEPPIR Nacional

•        16:10 – Palestrante – Douglas Belchior – Conselheiro Geral Uneafro

16:40 – Início dos Debates em Grupos

Temas: Ações afirmativas, Cotas, Genocídio da população negra (jovens), empoderamento e valorização da população negra, papel da mulher negra e sua efetiva participação dentro dos espaços de decisão, implantação do dia 14 de maio como o Dia Nacional de Combate ao Racismo Institucional.

 

Da Redacao