Brasília – Paulo Sérgio Ferreira, 38 anos, um homem negro, metalúrgico, residente no região do Grande ABC, em S. Paulo, desconhecido como ativista das entidades do Movimento Negro, chegou a queimar uma ponta da bandeira brasileira que fica na Praça dos Três Poderes, em Brasília, em protesto contra a morte de negros no Brasil e contra o racismo.
O protesto aconteceu na manhã desta quarta-feira, 13/abril, por volta das 11 horas e mobilizou bombeiros e o aparato de segurança no entorno da Praça.
Antes de chegar até a bandeira, depois de subir as escadarias do mastro que tem cerca de 120 metros de altura, Ferreira jogou um pedaço de papel com o seu número de telefone celular. Por telefone chegou a conversar com repórtes de emissoras de televisão.
O Mapa da Violência 2011, divulgado em fevereiro passado, confirma que, de cada três assassinatos no Brasil, em dois as vítimas são jovens negros.
Protesto
Ferreira levou três bandeiras menores e conseguiu prender uma delas ao mastro. As outras duas foram queimadas no protesto.
Um motorista, que se identificou como Francisco disse que viu o momento em que o homem começou a escalar o mastro. O motorista disse que Ferreira falava palavras em espanhol e parecia estar sob efeito de drogas ou álcool. “Ele não falava coisa com coisa”, afirmou.
Foi o motorista quem acionou o Corpo de Bombeiros.
Com cerca de 286 metros quadrados, a bandeira brasileira – que fica entre o Palácio do Planalto, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal – é trocada no primeiro domingo de cada mês.
Por causa do protesto, Ferreira, que não é conhecido de entidades do Movimento Negro deverá ser processado por crime federal. Ele pode pegar de três meses a seis anos de prisão.
Veja a reportagem da Rede TV

Da Redacao