S. Paulo – Com o auditório do Amcham Business Center, na Chácara Santo Antônio, lotado, e as presenças da ministra Matilde Ribeiro (Seppir), Secretário de Justiça e Cidadania do Estado, Hédio Silva Jr., e do governador Geraldo Alckmin, foi lançado na noite de ontem (14/02) o Instituto Brasileiro da Diversidade (IBD), que tem como diretor executivo, o ativista e professor Hélio Santos.
O Instituto nasce com a proposta de facilitar o estabelecimento e a promoção de uma cultura pró-diversidade no Brasil e quer promover uma verdadeira revolução sócio-econômica, preparando o país para os desafios do novo milênio.
Para Hélio Santos, “embora, do ponto de vista operacional, as empresas brasileiras possam ser consideradas modernas, elas têm muito a avançar na promoção da Diversidade de gênero, raça, faixa etária, deficiência e na igualdade de tratamento de todos os grupos presentes na sociedade”.
“A prática revela que a diversidade facilita a formação de equipes mais diferenciadas de talentos, o que induz à sinergia. Ou seja: diversidade agrega valor à empresa”, afirmou.
Ele lembrou o levantamento de 1.999 da Revista Fortune, segundo o qual a cotação das 50 empresas norte-americanas, tidas como padrão na prática da Diversidade, terem tido desempenho superior a media. “Comparado com o mercado brasileiro, estes dados mostram o quanto as nossas empresas precisam avançar na adoção de políticas inclusivas na hora de formar os seus quadros”, acrescentou.
O evento de lançamento do IBD teve apresentação da jornalista Miriam Leitão, da Rede Globo/CBN, e contou com as presenças de Solange Sanches, da OIT, Oded Grajew, do Instituto Ethos, e do cantor, apresentador e empresário José de Paula Neto, Netinho, da TV da Gente, além de mais de uma centena de lideranças e ativistas do Movimento Negro. O IBD tem o apoio das empresas CPFL, Banco Real e Fersol.

Da Redacao